SIGA O EM

Enem: Professores comentam a prova deste sábado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2014 19:33

Agência Brasil

Para professores que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a prova estava bem elaborada e tratava de questões atuais. À Agência Brasil, eles comentaram algumas questões e destacaram alguns aspectos da prova de hoje (8). Os participantes fizeram provas de ciências da natureza e de ciências humanas.

O professor Carlos Fernado Paschoal Oliveira, coordenador dos terceiros anos do Grupo Educacional Alub, avalia a prova como "tranquila, não muito cansativa. Os textos não estavam muito longos", diz. Entre o que caiu no exame, ele destaca Sina do Caboclo, do compositor João do Vale, que tratava da desigualdade social.

"Prova bastante social, seguindo a linha do Enem", disse Carlos Fernando. Ele acrescentou que as provas "tinham muito poucas contas" e foram "muito interpretativas de conhecimentos gerais. O candidato tinha que saber vários aspectos, mas nada muito diferente, que não tenha sido aplicado no ano passado".

O diretor pedagógico do site Descomplica, que oferece aulas pré-vestibular e pré-Enem, Rubens Oda, elogia a prova. Ele avalia como "bem feita, cobrando conteúdos bem atuais". Oda destaca o uso de questões hitóricas que têm relação com conteúdos atuais. Um exemplo é a questão que trata da Revolta do Vintém, que ocorreu em 1879, no Rio de Janeiro, contra a cobrança de um tributo de vinte réis, ou seja, um vintém, nas passagens dos bondes. De acordo com o diretor pedagógico, a questão remete às manifestações de julho de 2013, que ocorreram sob o mote "Não é só pelos 20 centavos".

"Muita poesia, charges, até quadrinho da Turma da Mônica. O Enem manteve o padrão da utilização da imagem para interpretação e mostrou novamente, este ano, o que ocorreu no ano passado, uma grande quantidade de questões de sociologia e filosofia", avaliou.

A questão que envolvia o quadrinho da Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa, era de física. Segundo o professor, a Mônica lançava o coelhinho e errava o Cebolinha. O coelho de pelúcia dava a volta no espaço. A questão envolvia o vetor de aceleração tangencial.

Já o presidente de honra do Cursinho Henfil de São Paulo, Mateus Prado, questiona o ítem da Revolta do Vintém. Diz que uma das opções, que para ele é a correta trata do uso da violência para salvaguardar o espaço público. Segundo Mateus, a questão legitima a violência. Outra questão abordada foi o conservadorismo no Brasil e a história da Áfica. De acordo com o professor, houve muito pouco de atualidade na prova de ciências da natureza.

O professor de geografia do Sistema Elite de Ensino, no Rio de Janeiro, Rafael Coelho, destacou a questão sobre a Comissão Nacional da Verdade, que basicamente ressaltava a atuação da comissão que busca resgatar a história do país no período da ditadura militar. "Acredito que o objetivo é mostrar para a sociedade que é importante compreender momentos históricos com uma nova leitura para que o futuro seja melhor e que essas situações não se repitam", diz.

Na avaliação de Coelho, o Enem tem "elementos de conteúdo cada vez mais presentes". O professor considera que a prova tem se tornado mais difícil, justamente por esse aspecto.

"É muito importante administrar bem o tempo. O candidato deve ficar o máximo de tempo possível. A prova é longa e exige atenção grande, especialmente quando se quer ingressar em uma carreira concorrida. A nota de corte é alta e qualquer questão se torna fundamental para alcarçar o objetivo".

Neste anos, o Enem teve mais de 8,7 milhões de inscritos, número recorde, de pessoas que farão a prova em mais de 1,7 mil cidades.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.