Publicidade

Estado de Minas

Sessões de ioga ajudam candidatos a controlar nervos e ansiedade para o Enem


postado em 06/11/2014 06:00 / atualizado em 06/11/2014 08:39

Junia Oliveira

Os estudantes esquecem os livros e, orientados pelo professor Ronaldo Alvarenga, fazem exercícios leves e meditação, seguindo técnicas milenares, para 'soltar a mente' (foto: Jair amaral/EM/D.A Press)
Os estudantes esquecem os livros e, orientados pelo professor Ronaldo Alvarenga, fazem exercícios leves e meditação, seguindo técnicas milenares, para 'soltar a mente' (foto: Jair amaral/EM/D.A Press)

São 70 minutos de olhos fechados. Na aula de ioga oriental, é tempo de olhar para si, refletir, deixar o corpo ser tomado pela leveza e esvaziar a mente. Pela sala, o movimento dos alunos é lento e até descoordenado, com constantes esbarrões. Mas nada atrapalha, pois o importante é relaxar. A poucos dias do fim de semana decisivo para 8,7 milhões de candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), além do preparo cognitivo e físico, é preciso investir no psicológico. No Colégio Padre Eustáquio, na Região Noroeste de Belo Horizonte, um professor de biologia, especializado em medicina oriental, é o encarregado de ajudar seus pupilos em mais essa tarefa.

O objetivo é um só: dar alívio mental aos meninos, que estão desde o início do ano com o Enem na cabeça e na ponta da língua. “Para resolver o cansaço físico, você deita e dorme. Mas o mental precisa de preparação”, diz o professor Ronaldo Alvarenga Carvalho. A música tranquila ao fundo é o balizador e, por meio dela, é fácil se imaginar num campo, numa praia e nos lugares por onde a imaginação levar. “Os meninos trombam uns nos outros e, assim, trabalham tato e contato sem a preocupação de estar encostando no colega. É um exercício para soltar a mente.”

A técnica de relaxamento tem quatro etapas. Na primeira, os alunos soltam braços e musculatura do corpo em geral, com movimentos orientados. Na segunda, se locomovem com o corpo já mais solto. Na terceira fase, o trabalho é sentado, e, na última, os adolescentes ficam deitados, sem música, no silêncio absoluto. E, nessa hora, tem gente que não aguenta a pressão, tamanha é a carga emocional despertada.

“Alguns alunos pedem para sair. Às vezes, conseguem enxergar pontos que estão incomodando, pois, ao longo do trabalho, vou conversando, como se fosse terapia. É um momento de tensão, pois juntam problemas do Enem, familiares e do dia a dia”, afirma Carvalho. Técnicas de respiração também são incluídas para ajudar no autocontrole. Amanhã, um dia antes do exame, haverá a última aula. “O físico é a resposta do mental. Harmonizar essa parte, o que todos nós deveríamos ter condição de fazer, é fundamental às vésperas e no dia de uma prova como o Enem.”

BENEFÍCIO A jovem Rayanne Cristine Joviano de Oliveira, de 17 anos, candidata a uma vaga no curso de história (licenciatura), confessa que o estresse tomou conta. “Achei muito interessante, porque as técnicas usadas foram bem relaxantes, não foi aquela forma convencional de deitar no chão e dormir. Na sexta, vou repetir, mesmo que seja em casa, pois aprendemos algo muito benéfico para que o nervosismo não tome conta da nossa mente.”

Para André Igor Aguiar Silva, de 18, manter-se tranquilo para não chegar tenso e afobado no dia da prova tornou-se prioridade, embora ele continue num ritmo intenso de estudos e se sentindo sob a máxima pressão. “Se deixar a tensão tomar conta, aliada à sensação da obrigação de passar, acaba não tendo o rendimento esperado e dando tudo errado.” Essa foi a primeira vez que o candidato a uma vaga em sistemas de informação participou de uma técnica de relaxamento. Gostou do resultado.

O silêncio, a possibilidade de analisar perspectivas, a música que rola devagar e a calmaria foram elementos que chamaram a atenção. “É um momento para tranquilizar, acalmar e perceber o que é necessário para se dar bem na prova. É um meio de descansar, literalmente.” No dia do exame, lado a lado com vários concorrentes, André já sabe qual estratégia usar caso o desespero bata à porta: “Vou pensar na aula que tive, reler a questão, me lembrar do caminhar devagar e não afobar”.

Provas viajam sob escolta

As provas do Enem começaram a chegar às cidades nas quais serão aplicadas. Estavam sob a responsabilidade do Exército, guardadas na sede do 4º Batalhão de Infantaria Leve, em Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo, de onde estão sendo distribuídas para 1.699 municípios do país. Para Minas, os malotes contendo os cadernos são trazidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) até as unidades distribuidoras do Exército ou dos Correios. Desses pontos, o transporte tem a escolta da Polícia Militar (PM).

De acordo com o coordenador operacional do Enem em Minas, capitão Harley Wallace Moreira, da Diretoria de Apoio Operacional da PM, estão previstas mais de 1.328 mil escoltas para 189 municípios mineiros nos quais haverá o exame. No total, 970 escolas vão sediar o Enem. Os militares darão apoio na entrega dos malotes e no retorno dos cadernos às unidades dos Correios. No sábado e no domingo haverá um carro com dois policiais em cada local de prova, durante o tempo do teste.

As provas só serão levadas às escolas no sábado de manhã. Cada malote tem um chip que rastreia o percurso e indica o horário de abertura. “Temos um convênio com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e apoiamos a realização da prova por meio de escolta e guarda. Não carregamos prova nem somos testemunha do recebimento delas.”, afirma o capitão Wallace.

Para reforçar a segurança e evitar fraudes, candidatos poderão ser revistados com detector de metal na edição deste ano. O Inep mantém sigilo sobre o procedimento, que será usado pela primeira vez, e não informou se todos os candidatos serão revistados ou se serão apenas aqueles sob suspeita. Também não divulgou quantos detectores de metal estarão disponíveis. Em maio, o ministro da Educação, José Henrique Paim, havia informado que os equipamentos seriam entregues em todos os locais de prova e que a quantidade poderia chegar a 18 mil no país.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade