SIGA O EM

Escolas buscam alternativas para combater ansiedade e estresse às vésperas do Enem

Testes começam no próximo sábado. São 8,7 milhões de candidatos, 980 mil deles em Minas, em busca de vaga na universidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/11/2014 06:00 / atualizado em 05/11/2014 17:19

Junia Oliveira /

Beto Novaes/EM/DA Press


Durante todo o ensino médio, não se falou de outro assunto. A preparação foi acirrada e, para quem está no 3º ano, os ânimos estão à flor da pele. Agora, falta muito pouco para o grande dia. Está aberta a contagem regressiva para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No sábado e no domingo, são esperados em milhares de salas de aula de todo o país 8,7 milhões de candidatos – desses, cerca de 980 mil apenas em Minas. A maioria deles está de olho em uma vaga em universidade pública e, com a nota obtida na avaliação, vai enfrentar, no início do ano que vem, a disputa no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O desafio está lançado. Na semana dos testes, a recomendação é relaxar, mas sem deixar de lado o tom nem o ritmo dos estudos, receita adotada por vários colégios de Belo Horizonte.


Para entrar nesse clima, o professor coordenava as batidas. O corpo parecia flutuar pela sala. Aos poucos, até mesmo os mais tímidos foram contagiados pela batida forte do tambor. Os estudantes do 3º ano acompanhavam passo a passo, até se deixarem levar pela explosão da música. Às vésperas do Enem, aula de percussão para aliviar a tensão. O Colégio Santa Marcelina, no Bairro São Luiz, na Pampulha, apostou em oficina de ritmo e concentração para preparar seus alunos. “Os meninos passam por um estresse muito grande ao longo do ano. Por isso, quando chega o fim de outubro, sempre pensamos em intervenções para liberar mente e corpo e eles darem conta de manter o foco. É uma oportunidade de vivenciarem, nesta reta final, algo jamais vivido”, afirma a coordenadora Rita Rangel.

Para a candidata a uma cadeira em medicina Talita Goecking Ruas, de 17 anos, a oficina fez toda a diferença. Segundo a garota, os momentos de meditação nas aulas de ensino religioso também ajudaram a retomar o controle e a desafogar a mente. “Quando estamos na escola, pensamos só em estudar. E temos que desligar um pouco, porque chega uma hora em que não aprendemos mais nada. Nesses momentos de relaxamento, pensamos em outras coisas e aprendemos a conviver com o diferente.”

Talita pretende diminuir o ritmo a partir de quarta-feira. Até lá, ela revisa as matérias em que tem mais dificuldade e tenta fazer o máximo de exercícios na escola, deixando para casa o mínimo possível de tarefas para conseguir dormir mais cedo. Entre os planos para descanso desta semana, ela pretende ir a Inhotim, na região metropolitana, e tirar uma tarde para dormir. Em casa, o apoio dos pais é fundamental. Eles fazem de tudo para que a vida da filha seja a mais confortável possível nestes dias que antecedem o Enem.

Ainda indeciso sobre qual curso da área de exatas fazer, André Macedo Menezes, de 18, também acredita que a atividade lúdica ajuda a distrair e a descarregar um pouco o nervosismo e a pressão. Ele quer frear o ritmo a partir de hoje: “Tem que chegar descansado para fazer o Enem, se não, o maior problema não será a matéria, mas a condição física”. André fez o exame em 2012 e 2013 e, mesmo sem a pressão de serem aquelas as edições decisivas, confessa que achou as provas cansativas. “Pelo que tenho visto, prevejo um Enem um pouco mais difícil do que nas edições anteriores e mais parecido com o do ano passado, que já foi diferente.”

TESTE DE RESISTÊNCIA
A professora Rita Rangel lembra que a avaliação exige de qualquer candidato resistência física e poder de concentração. Segundo ela, a capacidade de resolver cada questão em um tempo máximo de três minutos e ter domínio das habilidades são características que já devem estar resolvidas nesta época. Por isso, cuidar do corpo e da mente ganha prioridade. “Nos dias do Enem, o diferencial não é só o conhecimento. Quem quer disputar uma vaga na universidade tem que estar bem em termos de competências, habilidades, resistência física e mental. A capacidade de autocontrole vai garantir o sucesso na prova.”

A educadora dá um conselho àqueles que não sabem se o melhor agora é estudar pesado ou apenas fazer revisão: “Se há necessidade de algum conteúdo pendente, estude. A ponta de incerteza pode afetar o nervosismo. Não tem que perder o ritmo. Desacelerar, só depois de 9 novembro”.

Beto Novaes/EM/DA Press


Palavra de especialista


Geraldo Junio dos Santos,
mestre em educação e diretor do Colégio Arnaldo

Concentração total

“O Enem, a cada ano, tem se solidificado na cultura educacional brasileira. Neste ano, foram inscritos mais de 8 milhões de candidatos, 14% a mais que em 2013. Os alunos que farão o exame devem ficar atentos quanto a algumas dicas, como dormir bem e se alimentar antes da prova, chegar adiantado ao local, garantir estar portando o cartão de inscrição, documento de identidade e caneta preta transparente. E uma dica muito preciosa, principalmente para os jovens: evitar levar o celular e, se levá-lo, deixar desligado o tempo todo. O Inep, órgão responsável pela realização das provas, já avisou que nos locais haverá detectores de metal, ou seja, será mais rígido quanto ao controle de possíveis fraudes envolvendo, principalmente, o celular. O edital do Enem esclarece que, caso o candidato leve algum objeto, terá que guardá-lo em embalagem fornecida pelo aplicador. Porém, mesmo tendo essa opção, eu oriento, como educador, que não os levem, pois é um momento único, em que o estudante não deve se preocupar com mais nada além da prova. Para se comunicar ao fim do exame, o velho e bom cartão telefônico pode ser uma alternativa. Além disso, ainda no edital, o Inep se exime de qualquer responsabilidade sobre os objetos. Então, a hora é de relaxar e desconectar-se do mundo exterior, concentrando-se somente na prova e fazendo dessas 10 horas o grande momento de mudança em suas vidas.”
Tags: enem2014
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.