Publicidade

Estado de Minas

Competição de foguetes estimula espírito científico em alunos do ensino médio

Em Barra do Piraí,, Rio de Janeiro, estudantes de todo Brasil lançam foguetes feitos com garrafas PET


postado em 01/11/2014 14:41

A pista de pouso do Hotel Fazenda Ribeirão, na cidade fluminense de Barra do Piraí, transformou-se, esta semana, em plataformas de lançamento de foguetes. Em substituição a metais, combustíveis fósseis e muita fumaça, os protótipos produzidos por alunos de ensino médio de todo o Brasil eram de garrafas PET. Eles subiam movidos pelo gás produzido com a reação química entre vinagre e bicarbonato de sódio. Com um rastro de espuma, os foguetes decolavam para chegar o mais longe que pudessem. A competição vale 35 bolsas de iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

"Tivemos um que atingiu 248 metros de distância. Em anos anteriores, chegamos a registrar 275 metros", revelou o professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, João Canalle, que coordena a 8ª Mostra Brasileira de Foguetes, a organizadora da VI Jornada de Foguetes. Aproximadamente 600 alunos de 25 estados e do Distrito Federal participaram do evento. Eles representam mais de 60 mil estudantes que disputaram competições internas ao longo do ano e, dentro das regras do jogo, ousaram nas inovações: "Tivemos foguetes lançados com controle remoto e bases de lançamento automatizadas", destacou Pâmela Marjorie, coordenadora da jornada.

Conforme Canalle, até alcançar voo, o caminho é de muitos testes. "Tem de experimentar para aperfeiçoar. É bom que eles desenvolvem a criatividade e aprendem a conectar os caninhos, cortar, colar e perfurar. A maioria está acostumada a produzir trabalhos escolares no computador. Na escola, eles estudam o lançamento de uma pedra sem atrito. Na realidade, o problema fica muito mais complexo. Então, eles ficam mais perto das verdadeira ciência", salientou.

Professor de física da unidade Timóteo do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG), Weber Feu trouxe quatro alunos dos mais de 20 que participam do grupo de astronomia. "A gente deixa eles livres para procurar soluções. Assim, aprendem a ser independentes e despertam para solucionar problemas além da sala de aula".

Até lançar um foguete, com apoio de um colega de turma, o cearense Fábio Souza, da Escola Estadual Theolina Muryllo Zaca, tentou, pelo menos, 20 lançamentos. O trabalho começou em fevereiro, na própria escola e fora do horário de aula. "Foram várias tentativas para atingir uma melhor proporção do material. Trabalhamos no contraturno para fazer os cálculos do vinagre e do bicarbonato. Estudamos bastante". São Paulo e Ceará foram os estados com maior número de representantes. Cada um participou com 25 escolas públicas e duas particulares.

Para João Canalle, além de despertar o interesse científico, a iniciativa garante a autoestima dos alunos. "O livro didático e a aula do professor menos preparado revelam que a ciência é feita por gênios que nasceram gênios, que as pessoas nasceram cientistas. Não é nada disso. Quando estudamos a vida das pessoas, percebemos que são pessoas comuns que se dedicaram a algum problema particular e encontraram soluções que se tornaram leis da natureza", assinalou o professor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade