SIGA O EM

Universidades apostam em software contra plágio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/05/2014 16:42

Agência Estado

A universidade brasileira tem aumentado a preocupação em identificar plágios em trabalhos acadêmicos, com a adoção de softwares que apontam possíveis cópias. Um desses programas já está sendo usado em 35 universidades do País, com o objetivo de analisar pesquisas de pós-graduação e também trabalhos da graduação. Segundo professores e especialistas em ensino superior, problemas de plágio, como reprodução indevida de trechos e mesmo de ideias, sempre existiram. Mas a internet fez com que a cópia se tornasse mais comum - tanto pelo acesso a um volume gigantesco de informações quanto pela facilidade do Crtl C, Crtl V (atalho do corte e cola).

Com o aumento do problema, surgiram os softwares antiplágio, que funcionam como um grande buscador. Em linhas gerais, eles cruzam o texto entregue com artigos da internet, com um banco próprio de textos acadêmicos e com trabalho dos próprios colegas, no caso de uso do programa na graduação. "A licença funciona de acordo com o tamanho da universidade e leva em conta o número de alunos, por exemplo", diz a inglesa Alice Lupton, Gerente de Desenvolvimento da América Latina do Turnitin, o mais popular software antiplágio, que já fechou contrato com 35 universidades brasileiras.

A Universidade Estadual Paulista (Unesp), por exemplo, paga uma licença anual de R$ 18 mil para que a ferramenta esteja disponível para todos os professores. A instituição já usa o dispositivo há três anos. De acordo com o presidente da Comissão Permanente de Avaliação da Unesp, Carlos Roberto Grandini, o uso por parte dos docentes depende de treinamento, que tem sido feito com regularidade.

Mas fica a critério de cada profissional decidir se vai usar. "É um grande facilitador em teses, porque não é possível ter o domínio de todo o conteúdo que existe", diz ele, que adota o software também em aulas de graduação e usava quando foi editor de uma revista científica. Grandini conta que já recusou dois artigos na revista depois que o software apontou níveis muito altos de similaridade. "Mas o software não diz se há plágio de fato, o professor precisa analisar as indicações de similaridade e avaliar se há um problema", diz.

Percurso

No início de maio, Alice Lupton percorreu vários Estados brasileiros para apresentar o programa. Segundo ela, o interesse das instituições de ensino e editoras de publicações acadêmicas cresceu com notícias de casos de cópias em pesquisas.

O escândalo mais recente foi com a ministra da Educação da Alemanha, Annette Schavan, que no ano passado deixou o cargo após perder seu título de doutorado por acusações de plágio. "É uma preocupação que ocorre no mundo todo, as instituições estão preocupadas com a reputação", diz Alice. Só o Turnitin tem contratos com universidades e editoras em mais de cem países. Na Inglaterra, por exemplo, a taxa de uso entre universidades é de mais de 95%.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.