10°/ 20°
Belo Horizonte,
31/JUL/2014
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Bolsas de mestrado e doutorado da FAPEMIG são reajustadas Fundação mineira acompanhou CAPES e CNPq e confirmou aumento no benefício pago aos pesquisadores

Emerson Campos

Publicação: 20/06/2012 19:37 Atualização: 20/06/2012 19:42

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) confirmou que reajustará a partir de julho os valores das bolsas de iniciação científica, mestrado e doutorado oferecidas nas instituições do estado. O anúncio acompanha o aumento nos benefícios nacionais, concedidos pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) - no início de abril, o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou, também para julho, o reajuste de 10% nos valores do incentivo da CAPES e do CNPq, que estavam congelados há quatro anos.

Com o aumento, a bolsa oferecida aos mestrandos passa de R$ 1.200 para R$ 1.350 e a de doutorado sobe de R$ 1.800 para R$ 2.000. A bolsa de iniciação científica, por sua vez, passa de R$ 360 para R$ 400. O reajuste representa um impacto anual de R$ 4,5 milhões na FAPEMIG.

O presidente da fundação, Mario Neto Borges, destacou que um dos objetivos do aumento é manter os pesquisadores em Minas Gerais. "O pilar básico do desenvolvimento científico e tecnológico de qualquer sociedade está na formação de pesquisadores. Por isso, a Fapemig tem trabalhado para ampliar as oportunidades e para atrair e fixar pesquisadores no estado", destacou Borges. No ano de 2011, entre outras modalidades, a FAPEMIG concedeu 4.815 bolsas, entre mestrado, doutorado e bolsas do programa institucional de iniciação científica.

Em nota no site da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), a presidente da instituição, Luana Bonone, comentou os novos valores. "O reajuste anunciado pela Capes e pelo CNPq, e agora acompanhado pela FAPEMIG é de suma importância para a valorização da pesquisa nacional. Porém, o valor ainda não é o reivindicado pela nossa campanha de bolsas. Exigimos 40% de reajuste, valor calculado com base na inflação do período e nas metas do PNPG 2005-2010", reivindicou Bonone.

Repercussão

No início de março - um mês antes de Mercadante confirmar o reajuste - o Estado de Minas expôs as dificuldades vivenciadas pelos bolsistas que dependem exclusivamente do benefício. Após a reportagem, mestrandos e doutorandos de todo o país resolveram cruzar os braços durante 24 horas para protestar contra os valores defasados. A suspensão das atividades acadêmicas ocorreu no dia 29 de março. Em Belo Horizonte, uma manifestação no campus da UFMG na Pampulha marcou a data. Munidos com apitos, narizes de palhaço e muitas faixas os pesquisadores ocuparam as principais vias do campus e caminharam de prédio em prédio. Relembre.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Janaina Lara
A manchete do site faz alusão a irregularidades na UFU, anulação do vestibular, deve estar vinculado de forma equivocada! Essa matéria da página já está velha! | Denuncie |

Autor: Jose Carlos
Isso é um absurdo. Essas bolsas são de fome, parlamentares que ganham 10x mais que um doutorando não sabem nem ler/escrever. Esse país não tem jeito, vai continuar essa mesma merda atrasada por muitos e muitos anos. A valorização da educação é o principal fator pra sair do buraco. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.