Publicidade

Estado de Minas

TJMG adia julgamento de certidão de óbito de Eliza e revisão de pena de Bruno

O desembargador Corrêa Camargo pediu ''vistas dos dois processos'' que estavam sendo analisados. Julgamento retomará em 27 de setembro


postado em 13/09/2017 16:45 / atualizado em 13/09/2017 16:54

(foto: Paulo Filgueiras: EM/DA Press)
(foto: Paulo Filgueiras: EM/DA Press)
O julgamento que ocorria na tarde desta quarta-feira no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte, foi suspenso pelo desembargador Corrêa Camargo que pediu ''vistas dos dois processos'' que estavam sendo analisados. Os advogados do goleiro Bruno Fernandes e da ex-namorada dele, Fernanda Gomes de Castro, pedem, por meio de recursos, a redução da pena dada aos réus pela morte de Eliza Samúdio e a anulação da certidão da mesma. O crime ocorreu em 2010. Segundo o TJMG, o julgamento será retomado em 27 de setembro.

O documento que comprova a morte de Eliza foi expedido em janeiro de 2013 pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, da Vara do Tribunal do Júri de Contagem, após um pedido da família da vítima e do promotor de Justiça Henry Vagner Vasconcelos depois de acompanharem o julgamento de Luiz Henrique Romão, onde o assassinato de Eliza foi reconhecido.

O tribunal entendeu, na época, que a expedição da certidão serviria para reparar danos pessoais à família, além de um resguardo aos direitos de Bruninho, filho de Eliza com o goleiro.

Os recursos serão julgados às 13h30, na sede do TJMG na Avenida Afonso Pena, no Centro de BH. Caso aceito pelos desembargadores, os recursos podem implicar na revisão de pena do goleiro Bruno e de Fernanda Gomes e na invalidação da certidão de óbito de Eliza Samúdio. Caso a retirada do atestado de óbito seja aceita, o julgamento que condenou o atleta pode ser considerado nulo.

Lúcio Adolfo, advogado de defesa do goleiro, acredita que a invalidação do documento causará uma reviravolta no caso, com a possibilidade da anulação do julgamento não só de Bruno, mas também de Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", apontando como executor de Eliza.

Ainda conforme o advogado, uma redução na pena do goleiro seria ideal, pois o caso está traumático para todas as partes. "Entendo e penso que se o tribunal decidir reduzir a pena do Bruno a 15 anos, por exemplo, é o ideal e ele volta integralmente para as ruas com a pena completamente cumprida. É um processo que já está traumático para o tribunal, para a defesa, para o próprio Bruno e também para a família da Eliza," destacou.

Condenações

O goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza foi condenado em novembro de 2012 a 22 anos e três meses pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio, pela ocultação do cadáver e também pelo sequestro de Bruno Souza, filho do goleiro com a modelo.

Já Fernanda Gomes de Castro foi condenada em março de 2013 a cinco anos, em regime aberto, pelo sequestro e cárcere privado da criança e da mãe, a modelo Eliza Samudio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade