SIGA O EM

Goleiro Bruno diz que já pagou "caro" pelo crime que cometeu

Libertado por um habeas corpus do STF, ele afirma que nem a prisão perpétua traria Eliza Samúdio de volta

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1106567, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Paulo Filgueiras/EM/D.A Press ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/02/25/850298/20170225140948572988u.JPEG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 25/02/2017 13:33 / atualizado em 25/02/2017 14:12

Estado de Minas

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
O goleiro Bruno, libertado na noite desta sexta-feira por decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse em rápido depoimento ao telejornal MGTV que já pagou "caro" pelo que fez e que agora quer recomeçar a vida, atuando no futebol, de preferência, ou em outra área.

“Independentemente do tempo que fiquei, se ficasse em prisão perpétua, que não existe no Brasil, não ia trazer a vítima de volta. Paguei e paguei caro. Não foi fácil. Eu não apagaria nada, isso serve de experiência, serve como aprendizado e não como uma punição”, afirmou.


O goleiro disse que vai recomeçar. “Não importa se seja no futebol ou em outra área profissional. Eu vou estar no meio do futebol ainda. É o que eu almejo para mim”, afirmou.

Condenado a 22 anos e três meses pelo assassinato e ocultação do corpo de Eliza Samúdio, Bruno saiu da cadeia na noite de sexta-feira e foi direto para a casa de seu advogado, no bairro Concórdia. Para conceder o habeas corpus, o ministro Marco Aurélio Mello considerou a demora no julgamento dos recursos do caso.

O goleiro estava preso preventivamente aguardando o julgamento de uma apelação ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Assim que forem julgados os recursos, caso seja mantida a condenação, ele volta para a prisão.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600