Publicidade

Estado de Minas

Advogados querem que goleiro Bruno fique em Belo Horizonte

O atleta tem residência fixa na capital mineira e no Rio de Janeiro. A decisão sobre o destino do goleiro será entre ele e a esposa Ingrid Calheiros


postado em 24/02/2017 11:15 / atualizado em 25/02/2017 16:04

Advogados Luan Veloso Coutinho (esq.) e Lúcio Adolfo (dir.) aguardam na porta da Apac de Santa Luzia a saída do goleiro Bruno(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
Advogados Luan Veloso Coutinho (esq.) e Lúcio Adolfo (dir.) aguardam na porta da Apac de Santa Luzia a saída do goleiro Bruno (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)

O destino do goleiro Bruno Fernandes depois de sair da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, ainda será decidido. Mesmo assim, os advogados do atleta, afirmaram na manhã desta sexta-feira, que querem que ele fique inicialmente na capital mineira. O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu um habeas corpus a Bruno. Ele foi condenado a 22 anos e 3 meses pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio, sua ex-namorada.



O goleiro tem residência fixa em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro, por causa disso, ainda não está certo onde ele deve cumprir a prisão domiciliar. Segundo o advogado Luan Veloso Coutinho, da equipe de defensores do atleta, Bruno decidirá junto com a mulher, a dentista Ingrid Calheiros, onde irá ficar. “A intenção é que Bruno fique em um período inicial em BH, mas possui residência na capital e no Rio de Janeiro, onde pode ficar com a noiva. Ele pode ir para qualquer um desses lugares, mas nossa ideia é que ele fique inicialmente aqui. Mas isso será definido entre ele e a mulher”, comentou Luan Coutinho.

                               Leia também: "na filha dos outros é refresco, né, Marco Aurélio?"

O advogado Lúcio Adolfo, que também defende o goleiro, entrou com o pedido de soltura alegando morosidade do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). “Entramos com um recurso contra o julgamento do Bruno em 2013. Desde então, não foi analisado pelo Tribunal de Justiça, sendo que o normal seria em sete meses. Já se passaram quatro anos”, comentou.

Goleiro Bruno está preso na Apac de Santa Luzia, na Grande BH(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)
Goleiro Bruno está preso na Apac de Santa Luzia, na Grande BH (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)


Para conceder o habeas corpus, o ministro Marco Aurélio considerou que ao negar o direito de recorrer em liberdade a condenação foi antecipada, sendo o clamor social "insuficiente a respaldar a preventiva. Por fim, colocou-se em segundo plano o fato de o paciente (Bruno) ser primário e possuir bons antecedentes. A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória".



Condenação

O goleiro Bruno foi condenado em 08 de março de 2013 na sentença da juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues por 17 anos e seis meses de prisão em regime fechado para Bruno pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio. No crime, o goleiro foi beneficiado com redução de três anos na pena pela confissão parcial. Marixa fez questão de ressaltar que o benefício foi inferior ao concedido à Luiz Henrique Romão, o Macarrão, que revelou detalhes de sua participação em julgamento no último novembro. Pelo sequestro da modelo e de Bruninho, o goleiro pegou mais 3 anos e outros três meses pelo agravante de ser pai da criança. Ele também foi condenado a um ano e seis meses pela ocultação de cadáver. Estas últimas duas penas serão cumpridas em regime aberto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade