Publicidade

Estado de Minas

Ministério Público é contrário ao trabalho externo do goleiro Bruno

Parecer desfavorável emitido pela Vara de Execução Penal de Contagem já foi encaminhado à Justiça


postado em 12/06/2014 10:49 / atualizado em 12/06/2014 11:43

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) emitiu parecer desfavorável ao trabalho externo do goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, condenado a 22 anos de prisão pela morte da ex-amante Eliza Samudio.

A assessoria de imprensa do MP informou que o parecer foi emitido há três semanas pela promotora Betânia Cabral, da Vara de Execução Execução Penal de Contagem, cidade onde corre o processo e onde o goleiro cumpre pena. A promotora esclareceu que somente presos do semi-aberto têm direito ao trabalho externo. Quando o detento está em regime fechado, a saída para o trabalho só é permitida para atuar em alguma obra pública, por exemplo, e sob escolta. O parecer já foi encaminhado à Justiça.

A defesa de Bruno já havia feito o pedido para a saída temporária no início deste ano. Nesta semana, ele conseguiu a transferência de Contagem para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais. A autorização foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais no dia 10 de junho, exatamente quatro anos após o crime, segundo o processo.

Tiago Lenoir, um dos advogados do goleiro, se mostrou contrário ao parecer da promotora Betânia Cabral. A defesa sempre afirmou que o trabalho externo para o goleiro é possível, segundo a legislação. Com a transferência de Bruno pra Francisco Sá, o processo passa àquela comarca e os advogados devem fazer um novo pedido de autorização para o trabalho na cidade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade