SIGA O EM

Após conseguir transferência, advogados de Bruno querem agora saída temporária

Condenado pela morte de Eliza Samudio vai cumprir pena em Francisco Sá, no Norte de Minas, perto do clube que o contratou

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 671820, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Luiz Ribeiro/EM/D.A Press - 29/4/13 ', 'link': '', 'legenda': 'Bruno assinou contrato com o Montes Claros em fevereiro ', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/06/11/538170/20140611004810983123e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}, {'id_foto': 671821, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Renata Caldeira/TJMG-7/03/13\n', 'link': '', 'legenda': 'Penitenci\xe1ria do Norte n\xe3o tem sinal de telefonia celular e televis\xe3o', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/06/11/538170/20140611004816644358a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

postado em 11/06/2014 06:00 / atualizado em 11/06/2014 07:24

Luiz Ribeiro

Luiz Ribeiro/EM/D.A Press - 29/4/13

Cela individual de seis metros quadrados, onde não é permitido contato com outros detentos, sem sinal de telefonia móvel ou televisão. O goleiro Bruno Fernandes de Souza vai passar a cumprir a pena de 22 anos e três meses de prisão pela morte de Eliza Samudio na Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas. A autorização da transferência foi publicada no jornal oficial Minas Gerais ontem, exatamente quatro anos após o crime, que, segundo o processo, ocorreu em 10 de junho de 2010.

Desde julho daquele ano, o atleta está recolhido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH. De acordo com nota divulgada ontem pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), ele deverá ser levado para a prisão no Norte de Minas dentro dos próximos 20 dias, mas a data da mudança é mantida em sigilo, por questão de segurança.

A transferência para o Norte de Minas faz parte da estratégia da defesa de Bruno para tentar o retorno dele aos gramados. Em 28 de fevereiro, mesmo dentro da prisão em regime fechado, ele assinou um contrato com o Montes Claros Futebol Clube, equipe que disputou o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão 2014, encerrado em abril. No início do ano, a noiva de Bruno, a dentista Ingrid Calheiros, que mora no Rio de Janeiro, alugou um apartamento em Montes Claros.

A princípio, os advogados do ex-goleiro pleitearam a ida dele para o Presídio Regional de Montes Claros, mas não tiveram êxito, uma vez que o juiz da Vara de Execuções Penais da cidade, Francisco Lacerda de Figueiredo, alegou superlotação na unidade. A nova tática da defesa foi solicitar o deslocamento para a Penitenciária de Segurança de Francisco Sá, também no Norte.

Ontem à tarde, Tiago Lenoir, um dos advogados de Bruno, anunciou que o próximo passo da defesa será a solicitação à Justiça da saída temporária do detento para trabalhar durante o dia. De acordo com especialistas, como está em regime fechado, o goleiro só poderá receber liberdade para trabalhar em 2019, mas Lenoir sustenta que existe brecha na lei que permite o trabalho externo mesmo neste caso. “Acreditamos que o trabalho, a família e a crença espiritual são três pilares que têm de ser garantidos para que Bruno cumpra sua pena de forma digna”, argumentou o advogado. A decisão sobre o retorno do goleiro aos campos antes de 2019 deve ficar para o juiz de Francisco Sá, Flambo Santos Costa.

Renata Caldeira/TJMG-7/03/13

A Penitenciária de Francisco Sá fica a 53 quilômetros de Montes Claros, sendo 11 km de estrada de terra. O advogado Tiago Lenoir disse que o time poderá criar um sistema para que Bruno faça o treinamento individual em Francisco Sá mesmo. Ouvido ontem à tarde, o presidente do Montes Claros FC, Ville Mocelin, alegou que ainda não foi informado oficialmente sobre a transferência de Bruno.

COPA DO MUNDO Em sua nova casa, o goleiro Bruno não terá mais o conforto de poder assistir televisão. Com isso, se for transferido durante a Copa do Mundo, ficará impedido de acompanhar o torneio. Na Penitenciária Nelson Hungria, Bruno pode assistir a programação por conta de uma aparelho ligado dentro da cela, levado pela sua família a partir de permissão concedida pela direção da unidade. Em Francisco Sá, que fica na zona rural, só é possível captar o sinal por meio de uma antena parabólica. É permitido que a família leve um aparelho de rádio no tamanho 15x25cm.

 

 

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Aristoteles
Aristoteles - 11 de Junho às 09:45
O CRIME NO BRASIL COMPENSA.