SIGA O EM

Justiça altera regime de prisão de caseiro do goleiro Bruno; réu deve dormir na cadeia

Elenílson Vitor da Silva, condenado pelo sequestro e cárcere privado de Bruninho, foi condenado a três anos em regime aberto, mas agora a Justiça reverteu o regime para semiaberto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 660914, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Ed\xe9sio Ferreira/EM DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Wemerson (de camisa preta) e Elen\xedlson foram condenados pela participa\xe7\xe3o direta no sequestro e c\xe1rcere privado de Bruninho, filho de Eliza Samudio e do goleiro Bruno Fernandes\n', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/05/07/526385/20140507183033411767e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

Edésio Ferreira/EM DA Press

O caseiro Elenílson Vitor da Silva, condenado pelo sequestro e cárcere privado de Bruninho, filho do goleiro Bruno Fernandes e da modelo assassinada Eliza Samudio, perdeu uma nova batalha na Justiça. A defesa dele e o Ministério Público recorreram da sentença proferida em 28 de agosto de 2013. Na época, o réu foi condenado a três anos em regime aberto, mas agora a Justiça reverteu o regime para semiaberto acatando pedido da promotoria. Assim, Elenílson deverá passar a noite na cadeia.

Junto com Elenílson, foi julgado o motorista Wemerson Marques de Souza, o Coxinha. A defesa dele também recorreu, assim como o MP. No entanto, a decisão da Justiça foi manter exatamente a mesma condição da sentença proferida: dois anos e seis meses em regime aberto.

As defesas dos réus pediram, nos recursos, a cassação do veredicto popular ou, caso mantida a condenação, a redução da pena e a substituição da privativa de liberdade por restritivas de direito. O desembargador relator, Doorgal Andrada, não acatou os pedidos da defesa, ressaltando que o veredicto popular só poderia ser cassado se a decisão do Conselho de Sentença fosse inteiramente dissociada do contexto probatório, o que não se verificou no caso.

Também avaliou que a pena dos acusados “foi fixada em patamar adequado e suficiente à reprovação do ilícito”. Quanto à substituição das penas, julgou que, embora fixadas em patamar inferior a quatro anos, a culpabilidade, os motivos e as circunstâncias do delito mostraram-se desfavoráveis, impedindo o provimento desse pedido.

O MP pediu modificação do regime prisional fixado para Elenílson alegando o fato de o réu ser reincidente.O desembargador relator afirmou que, de fato, nesse caso, era inviável a fixação do regime aberto para o cumprimento da pena, de acordo com o disposto no Código Penal.

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600