SIGA O EM

Movimento feminista repudia possível chegada do goleiro Bruno a Montes Claros

Advogados do ex-atleta vão recorrer à Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) para tentar transferência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 654666, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Marina Alves/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Cartazes em Montes Claros rejeitam contrata\xe7\xe3o de Bruno', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2014/04/15/519108/20140415073002293042a.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': None}]

postado em 15/04/2014 06:00 / atualizado em 15/04/2014 07:30

Landercy Hemerson

Marina Alves/EM/DA Press
Advogados do goleiro Bruno Fernandes de Souza, de 29 anos, vão recorrer hoje à Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) em mais uma tentativa de transferi-lo para Montes Claros, no Norte de Minas. A possibilidade de o ex-atleta ser transferido para a cidade tem sido alvo de manifestações de grupos feministas. Cartazes de protesto foram espalhados em ruas e avenidas da área central. “Se mata, bate e oprime, não joga no nosso time!”, diz um dos impressos, colado na parede de uma loja na Avenida Doutor Veloso, no Centro.

Em 28 de fevereiro, Bruno assinou contrato de cinco anos com o Montes Claros Futebol Clube, equipe que disputa o Módulo II do Campeonato Mineiro. O ex-jogador foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato da ex-amante Eliza Samudio, em 2010. O contrato foi levado pelo advogado do goleiro à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde ele cumpre a pena.

“Estamos fazendo tudo dentro da legalidade. Primeiro queremos a transferência de Bruno para a unidade prisional de Montes Claros. Em seguida, vamos discutir na Justiça como se darão as circunstâncias para que ele exerça sua profissão, o que inclui participação nos treinos”, afirmou o advogado Francisco Simin. O defensor disse ainda que não se sente intimidado pela resistência de grupos feministas. “Se são 10 mulheres que não querem, há muitas outras que querem vê-lo jogando. É um direito dele à ressocialização.”

Dias depois que o ex-goleiro assinou o contrato com o Montes Claros, time chamado na região de “o Bicho”, surgiram protestos na internet, que ganharam as ruas da cidades com os impressos colados em paredes de lojas, tapumes e postes, com frases como “As mulheres dizem não a Bruno no Mocão!” Os cartazes são assinados pelo movimento Mulheres do Projeto Popular, que faz parte da organização nacional Levante Popular da Juventude.

Em manifesto no blog da organização, o assassinato de Eliza Samudio é apontado como um crime brutal. O documento lembra que o corpo dela não foi encontrado e que Bruno não tem direito a regime semiaberto até 2018. “Em meio aos dados alarmantes sobre a violência contra a mulher no Brasil, a morte de Eliza Samudio poderia ter sido apenas mais uma. Não foi. O seu nome, a sua história e a sua trágica morte ganharam contornos de notícia nacional, principalmente pela profissão midiática do seu assassino. As mulheres do Levante Popular da Juventude de Montes Claros realizaram então uma ação de repúdio e denúncia”, destaca o manifesto.

O Tribunal de Justiça confirma que somente depois de 2018 o goleiro terá direito ao regime semiaberto, quando poderá sair para trabalhar. Os advogados de Bruno alegam que a Lei de Execuções Penais possibilita a saída para o trabalho, mesmo de detentos do regime fechado, sendo necessária escolta. Porém, a legislação prevê que nesse caso a saída seja permitida somente para atividades em obras públicas.

Em 14 de março, o juiz da Vara de Execuções Penais de Montes Claros, Francisco Lacerda de Figueiredo, se manifestou contrariamente à possibilidade de transferência do goleiro para a cidade. O magistrado alegou que o presídio regional não tem como receber o detento, devido à superlotação. O juiz da Vara de Execuções Penais de Contagem, Wagner Cavalieri, havia encaminhado ofício ao colega de Montes Claros, sondando-o sobre a capacidade da unidade prisional de Montes Claros para receber o ex-atleta.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Fernando
Fernando - 15 de Abril às 17:36
Reclamando pelo motivo errado. O que todo cidadão deve querer é que ele esteja atrás da grade. O brasileiro precisa parar de querer empurrar o problema para o lado, ou para debaixo do tapete.
 
Marcos
Marcos - 15 de Abril às 13:33
O feminismo, assim como outros movimentos extremistas, é uma grande desgraça. O preso tem o direito à ressocialização! Nossas cadeias apenas ensinam os bandidos a serem ainda mais bandidos! Mais cedo ou mais tarde o preso sairá pela porta da frente, e aí? Vai sair pior ou melhor do que entrou?
 
romy
romy - 15 de Abril às 12:45
Estao dando muita atencao p esse criminoso. Qual o inter esse desse time,ou quanto recebeu e de quem recebeu para contratar esse assassino? Espero que a justica nao nos decepcione mais uma vez,e que esse bandido continue cumprindo sua pena,sem que outros bandidos ocultos tentem liberta lo antes.
 
Jose
Jose - 15 de Abril às 11:54
Coloca ele pra ir jogar no Iraque, Síria, Iran, Grécia e outros, aqui em Minas e no Brasil já era, arrogante, perverso e vagabundo tem pagar pelos seu atos e seus mandos de pilantragem, leite derramado não tem choro, agora vem com essa bom moço e querendo jogar, vai jogar com o bola e macarrão burro
 
Jose
Jose - 15 de Abril às 11:48
Este Zé Ruela tem ficar trancafiado atrás das grades por 30 anos sem privilégios e mordomias da lei, tem dar exemplo aos outros terroristas de Minas e do Brasil, tem pagar pena severa e colocar para trabalhar dentro do presidio sem moleza, agora quer dar uma bonzinho, amigo, prestativo e humilde.
 
Petronio
Petronio - 15 de Abril às 10:53
Inacreditável. A possibilidade dessa autorização é "zero". O cara é assassino confesso. A lei determina que ele tem que cumprir a pena em regime fechado. O que seus advogados tão querendo. A justiça de Minas vai virar chacota mundial.
 
jorge
jorge - 15 de Abril às 10:33
Deixem o homem trabalhar, e que pague sua pena exemplarmente, como tantos criminosos por ai, pegos em flagrante ou com inúmeras provas contra, mas livres, leves e soltos cumprindo pena em liberdade.
 
Magno
Magno - 15 de Abril às 09:42
É um absurdo. Que país lixo! O cara mata com requintes de crueldade e vai continuar a vida normal? Acordem autoridades. Esse animal não é mais goleiro. Ele é um assassino brutal! Pois bem. Vamos todos sair matando que vamos continuar exercendo nossa profissão na cadeia. Apóio as mulheres do movimento
 
Henrique
Henrique - 15 de Abril às 09:10
Cada dia que passa na minha vida eu fico mais enojado das estruturas de poder no Brasil. A cada dia que passa eu digo para meu íntimo que, como as coisas tendem a piorar, rogo pela felicidade da minha família e quando a morte me levar vou aliviado por não mais viver e sentir essa situação.
 
José
José - 15 de Abril às 09:06
Elas não aceitam Bruno, mas, aceitam os assassinos do bailarino Igor Xavier soltos e visitando Montes Claros. O movimento vem do time adversário.
 
sebastião
sebastião - 15 de Abril às 08:30
É isso aí mulherada! Deixa essa coisa do mal ir para essa cidade não. Ô Dvogado, faz a ele a proposta: mostrar onde está o corpo de Eliza, em troca de ir para Montes Claros. Se não aceitar é porque o rabo está crescendo; orelhas curtas, ele já tem.
 
mauro
mauro - 15 de Abril às 08:20
A imprensa dá muito credito para certas coisas que nao consigo entender, o cara foi considerado culpado pela morte de outro ser humano segundo as leis dos humanos fica preso, mas..........
 
Leonardo
Leonardo - 15 de Abril às 08:15
Vai entender, se a sociedade não dá uma chance para ressocialização para o cara, o melhor e aprovar a pena de morte de uma vez...!