SIGA O EM

Começa julgamento da acusada de participar da morte de primo do goleiro Bruno

Dez testemunhas serão ouvidas na sessão. Sérgio Rosa Sales foi assassinado em agosto do ano passado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 574360, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Paulo Filgueiras/EM/D.A Press - 11/08/2011', 'link': '', 'legenda': 'S\xe9rgio foi assassinado em 22 de agosto do ano passado', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2013/08/09/433289/20130809103641546348a.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': None}]

postado em 09/08/2013 10:19 / atualizado em 09/08/2013 10:39

Cristiane Silva

Paulo Filgueiras/EM/D.A Press - 11/08/2011
Teve início na manhã desta sexta-feira o júri popular de Denilza Cesário Silva, de 30 anos, acusada de envolvimento na morte de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes. De acordo com o inquérito policial, ela seduziu o jovem para que o companheiro dela, Alexandre Ângelo de Oliveira, o Neguinho, de 28 anos, o executasse a tiros. O assassino também foi pronunciado, mas será julgado em data diferente, pois o processo foi desmembrado.

Segundo a assessoria de imprensa do Fórum Lafayette, o julgamento, que acontece no 1º Tribunal do Júri, estava previso para começar às 8h30, mas houve um atraso e a sessão teve início às 9h20. Após o sorteio dos sete jurados, a primeira testemunha, de acusação, foi chamada para depôr. A identidade da pessoa não foi revelada. Ao todo, serão ouvidas 10 testemunhas, sendo cinco de acusação e as outras de defesa. Após os depoimentos, Denilza será ouvida. A expectativa é de que o julgamento termine ainda hoje.

Sérgio foi assassinado em 22 de agosto do ano passado. Na ocasião, levantou-se a possibilidade de a morte estar relacionada ao julgamento dos acusados pelo desaparecimento e morte da ex-modelo Eliza Samudio. Além de réu no processo, o primo de Bruno era apontado como uma das testemunhas-chave no caso. Porém, a hipótese foi descartada pela polícia.

De acordo com as investigações, Denilza afirmou que trabalha em um restaurante na Avenida Cristiano Machado. Para seguir até o serviço, ela passava pelo Bairro Minaslândia a pé. Em 21 de agosto, um dia antes do crime, a mulher afirma que caminhava pela rua onde Sérgio morava quando foi assediada por ele. Segundo relatos de Cesário, o primo do goleiro Bruno a abordou, a chamou de gostosa, tentou tocá-la e mostrou as partes íntimas para ela.

Denilza continuou o caminho e ouviu Sérgio dizer que, se ela passasse novamente no local, ele iria repetir os atos do dia anterior. A mulher chegou em casa, onde mora com o marido, e ligou para Alexandre, com quem tem um relacionamento extraconjugal. O homem, que já foi preso e condenado por tráfico de drogas, afirmou que no dia seguinte iria levá-la ao trabalho.

Logo cedo, Alexandre foi até a casa de Denilza em uma moto vermelha e cumpriu o combinado. Porém, não fez o caminho completo até o trabalho dela. A mulher foi deixada para seguir parte do caminho a pé, enquanto era monitorada por ele. Durante o percurso, Sérgio novamente foi ao encontro da garota e tentou agarrá-la.

Alexandre se aproximou do primo de Bruno e disse: “então é você o estuprador”. Logo em seguida, deu dois tiros em Sérgio que saiu correndo. Enquanto ele fugia, o suspeito atirou quatro vezes, mas nenhum tiro acertou a vítima.

Sérgio ainda conseguiu correr e se escondeu atrás de uma árvore, na casa de amigos. Alexandre se escondeu atrás de um carro que estava estacionado no quintal da casa, recarregou a arma e voltou a atirar contra o jovem. Como o primo de Bruno não revidou os disparos, o homem desferiu cinco tiros à queima roupa. O último deles atingiu a boca de Sales. O casal foi preso em 3 de setembro do ano passado em cumprimento a um mandado de prisão.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600