Publicidade

Estado de Minas

Defesa desqualifica testemunha e diz que detento e Bola ficaram em celas separadas

A testemunha Jailson Alves de Oliveira denunciou o suposto plano de Marcos Aparecido dos Santos de matar pessoas envolvidos com o Caso Bruno


postado em 23/04/2013 09:57 / atualizado em 23/04/2013 11:33

Advogado do ex- policial civil, Fernando Magalhães, acredita que o segundo dia de julgamento seja mais tranquilo (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Advogado do ex- policial civil, Fernando Magalhães, acredita que o segundo dia de julgamento seja mais tranquilo (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)

O depoimento do detento Jailson Alves de Oliveira, que denunciou o suposto plano de Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, de matar pessoas envolvidos com o Caso Bruno e contou como teria acontecido o crime de Eliza Samudio, é considerado de suma importancia para a acusação. Porém , a defesa do ex-policial afirma que a testemunha teria mentido à Justiça. Advogados revelaram que a estrategia é provar que Bola e o preso nunca estiveram na mesma cela.

O advogado Fernando Magalhães, que defende o ex- policial civil, acredita que o segundo dia de julgamento seja mais tranquilo no Fórum Pedro Aleixo, em Contagem, na Grande BH. Porém, o depoimento de Jailson deve se extender até a tarde desta terça-feira. "Ontem tivemos um dia de debate entre a defesa e a acusação, mas hoje as coisas serão mais tranquilas. O depoimento do jailson será longo por causa das mentiras que falou", diz o advogado.

O detento Jaílson contou à Justica que conheceu Bola dentro da Penitenciária Nelson Hungria. Os dois assi stiam televisão na mesma cela e que um dia o ex-policial civl teria dito que o corpo de Eliza Samudio só sewria encontrado se os "peixes falassem ". A defesa contesta a verassidade das informações. " Vamos provar que Jailson nunca esteve na cela de bola. Ele até hoje absorve os louros dessas mentiras. Quando começou a revelar coisas de autridades ou de pessoas que estão nas mídias ele recebeu benefícios do estado", denuncia Fernando Magalhães.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade