SIGA O EM

Advogado de Bola, Quaresma diz que Bruno aceitou acordo para citar seu cliente

"Houve um acórdão para poder reduzir a pena", reclamou o defensor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 511428, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press', 'link': '', 'legenda': 'Bruno foi o \xfanico acusado a citar no j\xfari a participa\xe7\xe3o de Bola na trama', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2013/03/06/355155/20130306214259625294o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

postado em 06/03/2013 21:40

João Henrique do Vale , Emerson Campos

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
Depois do interrogatório do goleiro Bruno, na saída do Tribunal de Contagem, o advogado Ércio Quaresma, defensor de Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, denunciou a existência de um combinado para que seu cliente fosse citado pelo atleta durante o depoimento. "Houve um acórdão para poder reduzir a pena", reclamou o advogado. Até o momento, Bruno foi o único acusado a citar no júri a participação de Bola na trama que envolve o desaparecimento e morte de Eliza Samudio. Em sua versão, o goleiro contou que sua ex-amante foi esquartejada, teve as mãos retiradas e os ossos jogados para cachorros comerem, confirmando o que foi dito pelo primo, Jorge Rosa Sales. No entanto, o jogador negou a autoria do crime e se defendeu dizendo em tom humilde: "eu não mandei, mas aceitei". Ao dizer que "aceitou" o assassinato, Bruno estaria admitindo que poderia ter evitado o crime se tivesse solucionado de imediato os problemas com a jovem por causa da paternidade. Ele disse, inclusive, que Macarrão justificou ter mandado matar a modelo afirmando ter resolvido "o problema que tanto te atormentava". Bola, também conhecido como Neném, foi apontado pelo réu como autor da execução. "Eles teriam ido para uma casa na Região de Vespasiano e entregado a Eliza para um rapaz chamado Neném. Lá, o rapaz perguntou para ela se era usuária de drogas e cheirou a mão dela. O rapaz pediu para o Macarrão amarrar a mão dela para frente e deu uma gravata nela", disse Bruno. No entanto, apesar da confissão parcial, para o assistente de acusação Cidney Mendes Karpinski, a fala de Bruno não será suficiente para que o réu seja beneficiado por uma redução de pena, como sugeriu Quaresma. O advogado avaliou que, ao contrário, as contradições do acusado poderão servir para que ele pegue a pena máxima.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Saulo
Saulo - 07de Março às 16:53
é a novela chegou ao fim..!! Tem muita gente promovida..!! quem será a bola da vez?
 
Eduardo
Eduardo - 07de Março às 09:31
Não entendo como a OAB MG, tido até então como idônea, permite esse cara. que é viciado em crak continuar "advogando", se fazendo estrela nesse macabro caso. Em respeito não só a sociedade más, em primeiro lugar aos familiares e o filho de Eliza Samúdio, a OAB, não deveria permitir sua "atuação".
 
Henrique
Henrique - 07de Março às 09:24
E depois vem as igrejas querendo convencer a gente que existe inferno, capeta, e outras coisas depois da morte. O nosso inferno ou céu é aqui na terra mesmo. Morreu, acabou.
 
jus
jus - 07de Março às 09:06
Alguém já viu um lixo humano? OIha um aí em carne, osso e PEDRA...
 
Lourival
Lourival - 07de Março às 00:13
Ele deve ter dito "acordão". "Acórdão" é outra coisa.
 
José
José - 06de Março às 22:32
Esse advog. é um palhaço. Não pode ver uma luzinha acesa que corre lá pra debaixo dela. Quer holofotes a qualquer custo. Por isso fica pentelhando tudo. Fuma a pedra dele e fica por aí avacalhando tudo que pode.