SIGA O EM

Pedido feito por advogados para anular júri do Caso Bruno será analisado novamente

O desembargador Delmival de Almeida Campos da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o recurso em novembro deste ano. Agora falta os votos de outros três magistrados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/12/2012 10:00 / atualizado em 17/12/2012 12:03

João Henrique do Vale

Está previsto para ser julgado na tarde desta segunda-feira o pedido dos advogados do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, para anular o julgamento que condenou Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e a ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes, Fernanda Gomes, pelo sumiço e morte de Eliza Samudio. Em 29 de novembro, o desembargador Delmival de Almeida Campos da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o recurso. Agora, os três magistrados vão votar.

Os advogados Ércio Quaresma, Fernando Magalhães e Zanone Emanuel, que abandonaram a defesa do ex-policial no primeiro dia de júri, alegam que foram impedidos de entrar no tribunal durante o julgamento de Macarrão e Fernanda. A juíza Marixa Rodrigues não permitiu a entrada dos defensores, pois eles não faziam mais parte do processo. Como Bola é có-réu do processo, os advogados querem tornar sem efeito todos os atos praticados no julgamento sem a presença deles.

Ao iniciar a análise do recurso, o desembargador Delmival pediu informações para juíza Marixa Rodrigues sobre o que aconteceu dentro do tribunal em Contagem. Ela prestou esclarecimentos dizendo que na abertura dos trabalhos todos os advogados de Bola abandonaram o plenário. O réu foi intimado para instituir um novo defensor em 10 dias e a magistrada fixou multa para os defensores.

Diante dos esclarecimentos apresentados, o magistrado negou o pedido e determinou a abertura de vista para a Procuradoria Geral de Justiça (PGJ). “Entendo que o enfrentamento da matéria, considerando a natureza do pedido, é de competência da turma julgadora”, afirmou.

Pena estipulada

O até então fiel escudeiro de Bruno e Fernanda foram sentenciados em 23 de novembro. Macarrão foi condenado por sequestro, cárcere privado e homicídio triplamente qualificado. Ele não poderá recorrer em liberdade e deverá cumprir uma pena de 15 anos, 12 deles em regime fechado. Fernanda foi condenada pela participação no sequestro de Eliza e do bebê Bruno Samudio, filho da modelo e do atleta, que à época tinha cinco meses de idade. Ela teve a pena estipulada em cinco anos em regime semi-aberto.