SIGA O EM

Ex-mulher de Bruno passa por audiência sobre calúnia contra delegadas

Dayanne, também ré no processo do crime contra Eliza, teria dito que foi torturada pelas policiais em depoimentos durante a fase das investigações.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 14/12/2012 13:59 / atualizado em 14/12/2012 14:03

Cristiane Silva

A ex-mulher do goleiro Bruno, Dayanne Rodrigues, participa de uma audiência de instrução na tarde desta sexta-feira na 3ª Vara Criminal do Fórum Lafayette, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. A audiência trata de uma acusação de denunciação caluniosa. As delegadas Alessandra Wilke e Ana Maria Santos, que comandaram parte do inquérito sobre o desparecimento e morte de Eliza Samudio em 2010, acusaram Dayanne de calúnia.

Segundo a assessoria do Fórum, a audiência começou às 13h30 e Dayanne está acompanhada do advogado Franciso Simim. Cinco testemunhas, todas de acusação, devem ser ouvidas. A ex-mulher de Bruno deve prestar depoimento ao final da sessão. Dayanne, também ré no processo do crime contra Eliza, teria dito que foi torturada pelas policiais em depoimentos durante a fase das investigações. Insatisfeitas com a declaração, as delegadas ajuizaram ação contra ela.

Em outubro, quando ocorreu outra audiência sobre o caso,  Francisco Simim, disse que a mulher foi induzida pelos advogados da época a escrever um documento onde relatava os abusos. “Minha cliente foi induzida a escrever uma carta alegando sofrer repressões das delegadas. Essa carta foi ditada para ela”, disse o advogado.

A ex-mulher de Bruno será julgada com ele e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em 4 de março. Em novembro, no segundo dia de julgamento sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samúdio, o goleiro dispensou o advogado Rui Pimenta de sua defesa. A tentativa do goleiro de destituir também outro advogado, Francisco Simim, culminou no desmembramento do julgamento da ex-mulher de Bruno, Dayanne.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Saulo
Saulo - 14 de Dezembro às 17:01
A minha ex-mulher me caluniou na Delegacia de Mulheres, ninguem me ouviu..fiquei detido, tem um ano que nao vejo meus filhos, nunca fui chamado na 13a.vara criminal - Na documentação eu sou o agressor..e pronto..!! QUERO JUSTIÇA TAMBÉM...
 
jus
jus - 14 de Dezembro às 14:59
Essas delegadas, além de FEIAS, são metidas a alguma coisa...tudo passa fome!