SIGA O EM

Depoimento de Macarrão "fecha a tampa do caixão", diz Edson Moreira

Para o ex-chefe do Departamento de Investigações de Minas Gerais, Macarrão não entregou Bola por medo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/11/2012 14:38 / atualizado em 22/11/2012 14:59

Júnia Brasil

O ex-chefe do Departamento de Investigações (DI) de Minas Gerais, Edson Moreira, afirmou na tarde desta quinta-feira que o depoimento de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, só confirmou o que a investigação da Polícia Civil já havia apurado e que a confissão esclarece a participação de todos os réus no desaparecimento e morte de Eliza Samúdio. "Ele (Macarrão) confessou se defendendo e vai receber o benefício da Justiça. Mas o depoimento fecha apenas tampa do caixão e reafirma a participação de todos eles no caso", diz Moreira.

Para o delegado, Macarrão não confirmou a participação do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, por medo, mas as provas obtidas pela quebra de sigilo telefônico dos dois e de Jorge Luiz, o adolescente primo do goleiro, comprova que eles conversaram e estiveram juntos na região da Pampulha e em Vespasiano, na Grande BH. "Ele não precisar falar, pois as ligações provam que Macarrão entregou Eliza para Bola e, depois, ele (o ex-policial) seguiu para Vespasiano onde Eliza foi assassinada", diz Moreira.


De acordo com informações do relatório, Bola fez nove ligações para Macarrão desde o dia do sequestro de Eliza, no dia 4 de junho, até o dia 26 do mesmo mês. No dia em que a modelo teria sido assassinada, Bola ligou para Macarrão seis vezes, sendo a primeira registrada às 15h06 e a última às 22h06. O relatório aponta também que uma ligação feita pelo celular de Bola às 20h52 mostra que o ex-policial, Jorge Luiz e Macarrão estavam na mesma região, nas proximidades do aeroporto da Pampulha.
Após o encontro com Macarrão e o adolescente, o telefone de Bola registra outras três ligações, dessa vez já em Vespasiano, onde mora o ex-policial e possível local onde Eliza foi morta.

Sobre a afirmação de Macarrão de que Fernanda não teve envolvimento com o sequestro e cárcere privado da modelo, Edson Moreira diz que não acredita que ela será absolvida, já que a quebra do sigilo telefônico da ex-namorada de Bruno revela que ela esteve no Rio de Janeiro no dia em que Eliza foi sequestrada e trocou ligações com Jorge Luiz, primo do goleiro.
Tags: