SIGA O EM

Defesa de Bruno quer que primo e ex-marido da mãe do goleiro sejam ouvidos

Na última sexta-feira, os advogados de Bruno apresentaram uma carta que teria sido escrita à mão pelo padrasto dele, informando que ajudou Eliza a sair do país em março de 2010, com documentos falsos.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2012 09:15 / atualizado em 15/11/2012 11:05

Paula Sarapu

A defesa do goleiro Bruno deve apresentar hoje petição para que outras duas testemunhas sejam ouvidas no Tribunal do Júri de Contagem, a partir do dia 19, quando está previsto o início do julgamento. Segundo o advogado Rui Pimenta, o primo do goleiro J.L.L.R., que à época do crime era menor, precisa ser ouvido. J. cumpriu medida socioeducativa e hoje integra o Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte. Por isso, a princípio não deve comparecer ao Tribunal do Júri.

 

Acompanhe a cobertura completa no Especial Caso Bruno


A outra testemunha que Pimenta faz questão de arguir é Luiz Henrique Franco Timóteo, ex-marido da mãe de Bruno, Sandra Cássia Souza de Oliveira Santos. Timóteo está preso em Governador Valadares, por envolvimento com tráfico de drogas, desde 4 de novembro de 2011. Na última sexta-feira, os advogados de Bruno apresentaram uma carta que teria sido escrita à mão por ele, informando que ajudou Eliza a sair do país em março de 2010, com documentos falsos. Segundo Rui Pimenta, Eliza teria ido para a Bolívia e, depois, para o Leste Europeu.

“São provas vitais para nós. Testemunhas de referência não somam muito. Quem convence o corpo de jurados são as testemunhas dos fatos, como os dois. Fizemos um pedido ontem pessoalmente à juíza Marixa Rodrigues, mas ela pediu que houvesse um pedido formal. Se ela não deferir, vamos ao Tribunal”, afirmou Rui Pimenta.

Desconhecido

O advogado diz que o goleiro e Timóteo se conheceram quando Bruno ainda era pequeno, logo que o padrasto conheceu a mãe biológica do atleta. Já a avó materna do jogador, Lucely Alves de Souza, professora aposentada que mora em Alcobaça, no Sul da Bahia, diz que a filha perdeu o contato com Bruno depois que o deixou com dona Estela, avó paterna. Segundo ela, Timóteo nunca conheceu o goleiro. Sandra hoje vive na Suécia, com o atual marido, e deixou os dois filhos do relacionamento com Timóteo em Alcobaça, com Lucely.

“Ele foi ao Rio (no fim de 2009). Disse que ia tentar falar com Bruno para ele se aproximar dos irmãos e da mãe, mas voltou logo depois revoltado, contando que Bruno disse para ele fazer o favor de não ligar mais, porque ele não o conhecia nem queria contato. Lembro que Timóteo estava chateado, porque o Bruno não quis conversar. Disse que ele estava arrogante”, contou a avó materna, que antes de Bruno ser preso chegou a falar com o neto por telefone algumas vezes.

A professora aposentada acredita na inocência do neto, mas desconfia da carta que teria sido entregue pelo ex-genro relatando contatos com Eliza. Segundo ela, Sandra e Timóteo foram morar em Rondônia logo depois que se conheceram, e se separaram quando os dois filhos eram pequenos. Os dois meninos, irmãos de Bruno por parte de mãe, têm 14 e 15 anos, mas foram deixados com a avó materna quando tinham menos que 4.

“Sandra nunca teve sorte com homem. Esse aí (Timóteo) não vale nada. Ficava tempos sem procurar os filhos e nunca ajudou. Não tinha residência fixa, nem trabalhava. Vivia na vidinha torta dele. Minha filha chegou a passar fome com os meninos pequenos. Nem sabia que ele tinha sido preso, porque ele esteve aqui na porta há dois anos, falando com os filhos, e nunca mais apareceu. Não ligava nem em aniversário”, concluiu Lucely.

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600