SIGA O EM

STF nega liberdade para goleiro Bruno

O ministro Joaquim Barbosa declarou que a nova solicitação de liminar feita pela defesa de Bruno não tem inovações em relação à petição inicial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]
O goleiro Bruno Fernandes vai continuar preso. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, negou pedido de liminar impetrado pela defesa do réu pedindo a liberdade para o ex-atleta, enquanto não acontece o julgamento sobre desaparecimento e  morte de Eliza Samudio. Na decisão, o ministro declarou que não há nada a prover, pois a nova solicitação do advogado Rui Pimenta não tem inovações em relação à petição inicial. Há cerca de 15 dias, o defensor havia afirmado que Bruno poderia deixar a penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, ainda em setembro. No entanto, o pedido de soltura foi novamente negado pelo STF.

Bruno, o primo dele, Sérgio Rosa Sales, e o amigo Macarrão, foram pronunciados por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, vai a júri popular pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. O ex-atleta, Macarrão e Bola, seguem presos. Sérgio foi solto por ter contribuído com as investigações e acabou assassinado em 22 de agosto deste ano. Com a negativa de liberdade para Bruno cresce a expectativa para o julgamento do caso. Entretanto, a perda de testemunhas, como no caso de Sérgio, pode atrasar ainda mais o banco dos réus.

Entenda o caso

-Em 4 de junho de 2010, Macarrão e um adolescente sequestraram Eliza e o bebê, a agrediram e a levaram para a casa do goleiro no Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro.
-No dia seguinte, Eliza foi trazida para Contagem, na Grande BH e, depois para o sítio do goleiro, em Esmeraldas, onde foi mantida em cativeiro até ser morta, em 10 de junho.
-O homicídio ocorreu à noite, em Vespasiano, num imóvel que pertencia ao ex-policial Bola, que estrangulou Eliza com a ajuda de Macarrão. O ex-policial também sumiu com o corpo, que ainda não foi encontrado.
-O filho de Eliza foi levado de volta ao sítio. Lá, Bruno, Macarrão, Sérgio Sales e o adolescente queimaram a mala e as roupas da vítima.
-Os acusados foram para Ribeirão das Neves e de lá para o Rio de Janeiro em um ônibus que transportava o time mantido por Bruno, o 100% Futebol Clube.
-Dayanne, ex-mulher do goleiro, ficou com o bebê no sítio. Em 18 de junho, ela viajou e deixou a criança com Elenilson e Wemerson. O garoto foi entregue para uma mulher, que o repassou para outra.
-Bruninho foi localizado pela polícia depois de receber denúncia da morte de Eliza. Todos os envolvidos foram presos e denunciados à Justiça, mas apenas três estão presos.


Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600