SIGA O EM

Quem alugou o sítio do goleiro Bruno

Dois sócios tentam compar propriedade do ex-goleiro do Flamento, mas foram impedidos pela Justiça.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2012 07:42

Pedro Ferreira

Dois sócios de uma agência de veículos do Bairro Nova Suíssa, na Região Oeste de Belo Horizonte, tentam comprar o sítio do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes, no Condomínio Turmalinas, em Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, mas foram impedidos pela Justiça. O imóvel, que tem 5 mil metros quadrados, uma luxuosa casa de dois pavimentos, piscina, campo de futebol e área de lazer, faz parte dos bens do goleiro bloqueados para a venda pela 1ª Vara de Família do Rio de Janeiro, onde tramita processo de pensão alimentícia movido pela mãe de Eliza, Sônia de Fátima Moura, que tem a guarda do neto. Os sócios, que queriam o sítio para passar o fim de semana com a família, fizeram um acordo informal com os parentes do goleiro, que está preso na Penitenciária Nelson Hungria, e arrendaram o imóvel até a Justiça liberar o processo de compra e venda.

A negociação foi há dois meses, depois de muitas tentativas de venda. Segundo informações de uma pessoa ligada ao goleiro, o “fantasma” de Eliza Samudio parece rondar o imóvel e a história macabra envolvendo a morte dela espantou muitos compradores. Eliza foi mantida em cárcere privado no imóvel até ser assassinada, em 10 de junho de 2010. O advogado do goleiro, Francisco Simim, concorda que o sítio foi palco de uma história constrangedora.

Os arrendatários do imóvel estavam incomodados com o assédio de curiosos que vão diariamente ver o “cativeiro de Eliza”. Para piorar, anteontem policiais civis e bombeiros estiveram no lugar escavando o jardim. A polícia recebeu denúncia anônima de que os restos mortais de Eliza estavam enterrados entre duas palmeiras. Uma cratera chegou a ser aberta, ma nada foi encontrado. “Essa história de Eliza enterrada no sítio não procede. Somente vamos retornar as buscas se houver uma nova motivação”, afirmou o delegado regional Hamilton Figueiredo.
Tags: