SIGA O EM

Corpo do primo do goleiro Bruno é velado no Cemitério da Saudade, em BH

Apenas dois conhecidos da família de Sérgio estavam no cemitério quando o corpo chegou

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/08/2012 20:40 / atualizado em 22/08/2012 20:54

João Henrique do Vale , Landercy Hemerson

Está sendo velado no Cemitério da Saudade, na Região Leste de Belo Horizonte, o corpo de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, que foi assassinado a tiros na manhã desta quarta-feira no Bairro Minaslândia, na Região Norte de Belo Horizonte. O caixão com os restos mortais de Sales chegou no cemitério às 20h15 e foi levado para o velório 2. No local estavam apenas dois conhecidos da família.

A chegada do corpo chamou a atenção de pessoas que estavam no cemitério, que se aglomeraram para ver a chegada do caixão. Apenas uma coroa de flores estava junto à urna, mas sem identificação do remetente.

O primo de Bruno foi executado com seis tiros. Segundo o delegado Breno Pardini, responsável pelas investigações, pessoas que estavam na rua disseram que um homem chegou em uma motocicleta e perseguiu Sérgio, que saía para trabalhar. O suspeito atirou em direção à vítima, que correu, entrou em uma casa e se escondeu atrás de uma árvore. Conforme as testemunhas, o homem parou a moto próximo à residência, recarregou a arma - um revólver calibre 38 -, chegou a pegar um objeto que caiu no chão e depois deu vários tiros em Sales. Após o crime, ele fugiu.

Sérgio foi atingido por seis disparos, um deles acertou o nariz e outro o peito. Ele morreu na hora. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte. A autoria do crime ainda é desconhecida. A polícia vai refazer os últimos passos da vítima em busca de vestígios que podem levar ao assassino.

A polícia não descarta que a morte de Sérgio tenha sido uma queima de arquivo. “Pelas características do crime e primeiros levantamentos, trata-se de uma execução. A gente sabe que Sérgio vem de um histórico de testemunha de um assassinato. Não podemos confirmar que se trata disso (queima de arquivo), mas nada está descartado”, afirmou o delegado.

Sumiço de Eliza Samudio

Sérgio Rosa Sales respondia por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver de Eliza Samúdio, juntamente com o primo Bruno e Macarrão, que seguem presos. Sérgio ficou preso na Penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte, por mais de um ano. Ele foi solto em 11 de agosto de 2011, por ter contribuído com as investigações.

Um dos primos de Sérgio diz que ele era tranquilo e estava trabalhando como pintor. Diariamente, pela manhã, ele costumava ir a uma padaria e seguia para o trabalho. Ainda conforme o parente, ele se apresentava mensalmente no Fórum para as audiências. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) informou que, como estava em liberdade provisória, aguardando julgamento, Sérgio devia se apresentar todos os meses e estava em dia com as visitas.