SIGA O EM

Justiça do Rio de Janeiro reduz pena do goleiro Bruno e de Macarrão

Os dois amigos foram condenados em dezembro de 2010 por cárcere privado e lesão corporal contra Eliza Samudio. A pena de ambos foi reduzida para um ano e dois meses de reclusão.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/08/2012 14:27 / atualizado em 14/08/2012 15:47

João Henrique do Vale

Jair Amaral/EM/D.A.Press
O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro reduziu, em decisão unânime tomada nesta terça-feira, a pena do goleiro Bruno Fernandes e do amigo dele, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, por agressão e cárcere privado de Eliza Samudio cometido antes do desaparecimento da modelo. A desembargadora Maria Angélica Guimarães Guedes, da 7ª Câmara Criminal do Rio de Janeiro, também determinou que seja expedido o alvará de soltura. Porém, ambos continuarão presos devido ao processo que corre no Tribunal de Justiça de Minas Gerais pelo sumiço, morte e ocultação do cadáver da ex-namorada do jogador.

O goleiro Bruno Fernandes tinha sido condenado a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra Eliza Samudio em dezembro de 2010, no processo que corria no Rio de Janeiro desde outubro 2009. Macarrão foi condenado a três anos de reclusão por cárcere privado. De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), a desembargadora reduziu a pena do goleiro para um ano e dois meses de reclusão e sete meses de detenção e a de Luiz Henrique para um ano e dois meses de reclusão. A relatora também pediu que seja extinta a punibilidade dos réus. Ela foi acompanhada pelos outros desembargadores.

O advogado do goleiro, Rui Pimenta, afirmou que a decisão é uma vitória para a defesa. “O promotor havia recorrido para aumentar a pena e nós decidimos entrar com o pedido para baixar e deu exatamente a nossa pretensão. Agora, quando a sentença for publicada, vamos pegar a certidão e juntar ao processo que está em Belo Horizonte. Como foi julgado extinto, o Bruno só vai responder a apenas um processo”, explicou o advogado.

A defesa também vai anexar a decisão no pedido de liberdade que aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). “Vou fazer uma petição para juntar no habeas corpus. Estou recebendo notícias de terceiros de que ele deve ser julgado até o fim deste mês. Pode ter certeza que Bruno vai ser solto e vai voltar a atuar pelo Flamengo”, diz, otimista, Rui Pimenta

O goleiro Bruno, o primo dele, Sérgio Rosa Sales e o amigo Macarrão, foram pronunciados por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, vai a júri popular pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. O atleta, Macarrão e Bola, seguem presos. Sérgio foi solto por ter contribuído com as investigações.