SIGA O EM

Defesa diz que Macarrão não assumirá assassinato de Eliza

Defesa garante que amigo não assumirá sequestro e assassinato de Eliza Samudio, conforme sugeriu o goleiro em carta enviada a ele em presídio de Contagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/07/2012 06:00 / atualizado em 10/07/2012 06:37

Paula Sarapu , Pedro Ferreira

Jair Amaral/EM/D.A Press - 26/10/10
No dia em que o goleiro Bruno Fernandes reconheceu a autoria da carta em que sugere que o amigo fiel Luiz Henrique Romão, o Macarrão, assuma a autoria do sequestro e assassinato da modelo Eliza Samudio, o advogado de Macarrão, Leonardo Diniz, diz que o cliente não vai responder pelo crime sozinho. O conflito de versões vai além e atinge a sexualidade dos envolvidos: Diniz garante que Macarrão não é homossexual, mas o advogado de Bruno, Rui Pimenta, que visitou o goleiro ontem na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH, deixou a carceragem mantendo a afirmação de que Macarrão e o ex-capitão do Flamengo mantiveram relações sexuais, inclusive com a participação de Eliza Samudio. A modelo teria gravado as cenas com celular e usado as imagens para chantagear o goleiro. O aparelho nunca foi encontrado.

A carta endereçada a Macarrão é de novembro e tem um trecho riscado. Segundo o advogado Rui Pimenta, as frases ilegíveis dizem que Macarrão tinha obrigação de assumir o crime. “Ainda não participávamos da defesa do Bruno e, mesmo se o Macarrão assumisse a morte da Eliza para o Bruno voltar a trabalhar, ele já foi pronunciado e só vai ganhar a liberdade se o júri popular quiser. Mas o trecho riscado, em que em Bruno chama o Macarrão de irmão, de tigrão, diz algo do tipo: você não faz mais do que sua obrigação de assumir sozinho porque você me traiu sumindo com a Eliza”, afirma Pimenta.

O advogado Francisco Simim, que integra a defesa do atleta, também foi ao presídio. “A carta é real, mas foi mal interpretada porque o intuito era avisar ao Macarrão que os dois não seriam mais amigos se ele tivesse envolvimento no crime”, disse.

Pimenta ainda levantou suspeita sobre a motivação do assassinato da modelo e a paternidade do filho de Eliza. “Houve um conluio sexual e os dois tiveram relações com Eliza. Houve ainda um desrregramento sexual. Eles eram muito amigos, entre aspas, e tem coisas que a gente não precisa falar, para não ficar tão escrachado. Os dois fizeram programas com a Eliza e a homossexualidade está em participar deste mesmo ato, o que pode ter ocorrido outras vezes. Pode ser que Macarrão tenha se apaixonado por ela e, como não foi correspondido, matou por ciúmes.” Segundo o advogado, essa relação traz indefinição à paternidade. “Foi um caldeirão em que um introduziu no outro. Eliza saiu com Bruno no dia 11 e dia 22 já estava com outro. De quem é o filho, então?”.

Estratégia

Para o assistente de acusação no processo de desaparecimento e morte de Eliza Samudio, o advogado José Arteiro Cavalcante Lima, dizer que Bruno e Macarrão mantiveram relacionamento amoroso é querer fazer a sociedade de idiota. “Estão querendo fazer crer que os dois se relacionavam desde criança e que continuaram fazendo sexo depois de adultos. Isso é história para boi dormir”, disse. Para ele, a tatuagem nas costas de Macarrão declarando amor a Bruno não foi nada mais do que uma homenagem ao amigo.

A carta, segundo Arteiro, já existe há quase um ano e foi plantada pela defesa do goleiro. “Bruno quer sair fora da prisão e trabalhar. Quem transou com a Eliza foi ele, quem bateu nela no Rio foi ele e Macarrão, tanto é que eles foram condenados por isso. Bruno soltou essa carta para se livrar da acusação”, explicou.

O advogado de Macarrão não quis comentar o teor da carta, mas lembrou que esta não é a primeira vez em que se pôs em dúvida a opção sexual dele. “Vamos discutir somente o que está nos autos e a carta não integra o processo. Há uns meses esse assunto foi objeto de nota e informamos que são versões falaciosas. Luiz Henrique não é homossexual e jamais houve relações sexuais entre eles. Trata-se de um absurdo. Também não há nenhuma possibilidade de ele assumir nada sozinho para preservar a amizade”, disse Leonardo Diniz.

processo O Ministério Público informou que o novo promotor do caso é Henri Wagner Vasconcelos de Castro, que assumiu a 14ª promotoria do Tribunal do Júri de Contagem há uma semana e ainda estuda o processo, que está no Tribunal de Justiça desde agosto, para julgamento de recursos. Sobre a inclusão da carta nos autos ou cobrança de investigações sobre o policial aposentado José Lauriano de Assis Filho, o Zezé, que apresentou Bruno e Macarrão ao ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, o MP informou que o promotor só vai se pronunciar depois que receber o processo de volta.

De acordo com o ex-chefe do Departamento de Investigações, delegado Edson Moreira, Bola se encontrou com Zezé duas vezes no dia do crime. Em depoimento, o suspeito afirmou que Bola pediu R$ 50 naquela noite. Para o delegado, o policial aposentado pode ter participado ao menos da ocultação do cadáver, mas a Polícia Civil não conseguiu provas. Segundo o delegado, Zezé e Macarrão conversaram 23 vezes por telefone em seis horas no dia em que Eliza e o bebê foram trazidos do Rio de Janeiro, em 4 de junho de 2010.

Para o assistente de acusação José Arteiro Cavalcante, os responsáveis pela morte de Eliza são Bruno, Bola e Macarrão. "Não se sabe o motivo pelo que o Zezé não foi denunciado pelo Ministério Público. O José Laureano é o intermeditário. Foi ele quem apresentou Bruno e Macarrão para o Bola, que foi seu colega de polícia. Então, o promotor temde responder essa pergunta. Ele tinha elementos no processo para denunciar o Zezé", disse Arteiro.

Surpresa

A declaração do advogado Rui Pimenta de que seu cliente, o goleiro Bruno Fernandes, tinha um relacionamento homossexual com Macarrão pegou também de surpresa a ex-mulher do atleta. “Estou chocada. Macarrão tinha ciúme de tudo com o Bruno, dos outros amigos, das mulheres e até de mim. Mas eu achava que era pela amizade forte deles”, disse a vendedora Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, de 24, que foi casada por seis anos com o goleiro e tem duas filhas com ele.

Segundo ela, se Bruno e Macarrão tiveram algum tipo de relacionamento homossexual, era muito secreto e não deixou nenhuma suspeita. “Eles são muito amigos e fiquei um ano e meio sem morar com eles. Eles viviam juntos no Rio e eu já estava separada do Bruno havia um ano e meio quando tudo aconteceu”, disse a vendedora.

Julgamento sem previsão

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas informou que já julgou todos os recursos impetrados pelos advogados do Caso Bruno, faltando apenas a terceira vice-presidência receber outros direcionados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Se a vice-presidência negar o envio a Brasília, os réus podem entrar com um agravo de instrumento, o que força a remessa ao STJ. Assim, ainda não há previsão de julgamento para os envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza Samudio. O Supremo Tribunal Federal (STF) informou que há um pedido de habeas corpus em favor de Bruno e que ele está para ser julgado pelo ministro Cezar Pelúsio. Em 29 de dezembro do ano passado, o ministro Ayres Brito indeferiu um pedido de liminar e negou o alvará de soltura para Bruno aguardar o julgamento em liberdade. Em 6 de fevereiro, os advogados entraram com um agravo regimental para derrubar a decisão do ministro Ayres Brito, mas em 8 de maio o recurso foi arquivado.