SIGA O EM

Resultados de perícia paralela podem demorar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/08/2010 14:26

Daniel Antunes /Estado de Minas

O resultado dos exames de DNA nos fios de cabelo encontrados numa corda que estava na casa do ex-policial, feito num laboratório em Alagoas pode demorar mais do que a defesa imaginava. Nesta terça-feira o médico-legista e professor de medicina legal da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), George Sanguinetti, contratado pela defesa de Bola, disse que a parte mais importante do fio para a realização do DNA, o bulbo capiloso (raiz do cabelo) não foi encontrado. Com isso, o material colhido durante varredura no sábado passado pelo legista na casa de Bola, em Vespasiano, na Grande Belo Horizonte, foi submetido a exames no Núcleo de DNA Forense da (UFAL). "Os trabalhos são mais complexos, mas ainda assim é possível descobrir o código genético", explicou Sanguinetti.

Ele confirmou também que os fios encontrados na casa do ex-policial, um da cor preta e outros castanho, pertenciam a uma mulher. "Além do tamanho, que é pouco comum para homens, ainda estavam pintados. As análises prévias definiram que os pêlos são femininos", disse. As amostras de terra, colhidas em nove pontos da casa de Bola, durante perícia que a imprensa não teve acesso, são analisadas por um laboratório de biologia molecular, também em Alagoas. A defesa de Bola deve pedir à Justiça que seja informada a quantidade de sangue encontrada dentro da Land Rover do jogador, onde segundo a polícia, o adolescente J. de 17 anos, teria agredido Eliza com três coronhadas. "Dependendo do volume atestado pela perícia mineira, muda muita coisa, porque a jovem pode ter morrido dentro do carro. Relatos do tio do menor dão conta de que houve exposição de massa cefálica dentro do veículo", disse Sanguinetti.

Na tentativa da defesa em desqualificar as provas produzidas pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil de Minas Gerais, o advogado do goleiro Bruno Fernandes, Ércio Quaresma, acionou o perito Ricardo Molina, dono de um laboratório especializado na realização de perícias em materiais de áudio, vídeo e documentos em geral em Campinas.