SIGA O EM

Metalúrgico e dona de casa testemunham depoimento de Bruno

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 24/07/2010 11:05

Um metalúrgico aposentado de 58 anos e sua filha, de 36, que é dona de casa, passaram oito horas em companhia do goleiro Bruno Fernandes e do amigo dele Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão. Pai e filha, que moram no Bairro São Cristóvão, Região Nordeste de BH, voltavam de uma agência bancária, por volta das 14h de sexta-feira da semana passada, e ao passar em frente ao prédio do Departamento de Investigações (DI) foram chamados por policiais como testemunhas de leitura. Os dois ficaram até as 22h acompanhando depoimentos dos presos.

A dona de casa conta que, quando foi convidada, não sabia que um dos presos era Bruno. “Fiquei surpresa, mas ele não disse nada à polícia. Ele dava a mesma resposta para todas as perguntas, de que somente falaria em juízo”, disse a mulher, que ficou impressionada com a tranquilidade do goleiro. “Em momento algum ele abaixou a cabeça e sempre olhava firme para a delegada Ana Maria Santos. Macarrão, por sua vez, ficou o tempo todo cabisbaixo, nervoso”, contou a mulher.

O metalúrgico aposentado disse que ele e a filha foram chamados para garantir que os presos não seriam agredidos ou ameaçados, embora dois representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) estivessem presentes. Bruno foi ouvido primeiro, segundo ele. Depois, o goleiro foi levado para a sala do chefe do DI, Edson Moreira, e Macarrão foi interrogado. Ele recordou a infância com o amigo Bruno, falou do seu trabalho na Ceasa, da época em que ficou desempregado e o goleiro o chamou para trabalhar com ele, no Rio de Janeiro, e também do time de futebol mantido pelo goleiro em Ribeirão das Neves, o 100%. “Já Bruno não falou nada, sempre de cabeça erguida. De vez em quando, sorria”, disse o aposentado, que pelo Atlético e o Flamengo.

O metalúrgico conta que não pediu autógrafo ao Bruno por considerar o momento inoportuno. Mesmo porque, justificou, ele não fez isso nem quando o goleiro era do Atlético, seu time do coração. “Se Bruno errou, que ele pague pelo que fez. Se não errou, deve provar sua inocência”, acrescentou o aposentado.

Fome

A única reclamação das testemunhas é que a polícia não serviu nada além de café e água, nas oito horas de depoimento. A dona de casa havia deixado a filha de 8 anos sozinha e conta que se sentiu aprisionada. O pai dela, que é diabético, não bebeu o café por causa do açúcar. Um dos advogados comprou duas barras de paçoca e deu às testemunhas e Macarrão, mas o aposentado também não pôde comer. “Fomos liberados às 22h, com forme”, reclamou o metalúrgico.

A dona de casa disse ainda que não parou de pensar na filha sozinha em casa. “Me senti quase presa e nem podia telefonar para ela. Também seria difícil explicar a uma criança que a mãe estava numa delegacia, sendo testemunha. Quando os policiais cataram a gente na rua, disseram que não ia demorar nem meia hora.” (PF)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
adão
adão - 25 de Julho às 23:21
Adriana, Adriana, não confunda alhos com bugalhos, não fique criando quimeras com o que não é da sua conta.
 
JAIR
JAIR - 24 de Julho às 18:55
QUARESMA E RUIM COM FORCA, VAI COMER O DINHEIRO DO BRUNO E APOSW O JURI POPULAR, VAI TIRAR FERIAS,, E DE PESSIMA QUALIDADE PENSAVA EU QUE BRUNO TERIA DINHEIRO APRA CONTRATAR ALGUEM MELHOR. COMO MARCIO THOMAZ BASTOS. KI PENA TEM QUE SER O QUARESMA MESMO . QUE PENINHA JURI POPULAR EM BREVE EM BREVE RR
 
JAIR
JAIR - 24 de Julho às 18:53
Essa galera aqui ja esta enchendo o saco,. tem estudantes aqui querendo ja serem futuros criminalistas, que nao se espelhem no canalha do
 
A.
A. - 24 de Julho às 18:25
POR ENQUANTO SOU UM CIDADAO HONESTO Q CUMPRE COM AS OBRIGAÇOES E Q TEM PRINCIPIOS.
 
A.
A. - 24 de Julho às 18:23
NÃO É QUE VCS TEM RAZAO? QUANDO EU TIVER 7 PROCESSOS E E DEVER A JUSTIÇA, NAO FALAREI MAL MAIS DE CRIMINOSOS E DE MALANDROS REGULARIZADOS PELA OAB PARA DEFENDER INDIVIDUOS PSICOPATAS....
 
Adriana
Adriana - 24 de Julho às 18:07
No caso da foto, lógico que não era da Eliza, pois passeando no shoping com esse fervor sobre ela, alguem iria reconhecê-la e ia imediatamente a polícia.Essa pessoa que tirou a foto fez de propósito para querer aparecer,
 
carlos
carlos - 24 de Julho às 17:26
Sou estudante de direito mas se eu fosse aluno desse delegado ja teria mudado de faculdade, pois desaprendo quando ele fala.
 
carlos
carlos - 24 de Julho às 17:24
Tem muita gente babaca que fica criticando advogado. Espere que vc nao mude a ideia quando um dia precisar um. Ta vendo o caso daqueles rapazes que atropelaram o filho de Cissa Guimares, talvez pensassem a mesma coisa. Nessa vida tudo e possivel.
 
carlos
carlos - 24 de Julho às 17:24
Adriana Cunha faca seus comentarios sempre, tem babacas que vive criticando advogados, puxando saco para policia, mas isso vai ate um dia ser humilhado pela policia e precisar de um advogado.
 
Marcus
Marcus - 24 de Julho às 13:27
Adriana cunha sua xexelenta o que você está escrevendo?Está enchendo linguiça minha filha.Vai comentar seu assunto no seu blog criatura.Pare de escrever assunto que não interresa a ninguem.Por isso meus conhecidos (juizes e desembargadores) não perdem tempo com estas bobagens.
 
Adriana
Adriana - 24 de Julho às 13:05
assassinada com três tiros a queima-roupa. Contrariando todos os indícios da cena do crime, o delegado da Divisão de Homicídios, Édson Moreira, indiciou José Cleves como acusado do assassinato.
 
Adriana
Adriana - 24 de Julho às 13:05
O delegado da Polícia Civil %u2013 MG Édson Moreira foi o responsável direto por uma das maiores injustiças cometidas pela instituição. Em dezembro do ano 2000, o jornalista do Estado de Minas José Cleves da Silva, foi vítima de um assalto, cujo desfecho teve sua esposa, Fátima Aparecida de Abreu Sil