SIGA O EM

Primo de Bruno tem liberdade provisória negada pela Justiça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 268707, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Pol\xedcia Civil/Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'S\xe9rgio estava preso temporariamente desde 7 de julho', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2010/07/16/169241/20100716173706615773u.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': None}]

postado em 16/07/2010 17:11 / atualizado em 16/07/2010 17:40

Polícia Civil/Divulgação
A juíza da Vara do Tribunal do Júri de Contagem, Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, rejeitou o pedido de liberdade provisória de Sérgio Rosa Sales, de 22, primo do goleiro Bruno Fernandes. Sérgio é suspeito de envolvimento no desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Ele está preso temporariamente desde 7 de julho. Na quinta-feira, Bruno também teve o pedido de liberdade negado pela Justiça.

Segundo informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a juíza entendeu que se trata de um inquérito policial complexo, envolvendo crime de homicídio qualificado e outros conexos, alguns praticados em diferentes cidades, e que são atribuídos, em tese, a diversos agentes. Assim, somente após a conclusão do inquérito é que será possível identificar a necessidade, ou não, da prisão de Sérgio.

A defesa alegou que Sérgio já cumpriu o seu papel durante a colheita de provas realizada pela polícia, além de ser réu primário, possuir residência e bons antecedentes. Além disso, sustentou que ele se compromete a comparecer em juízo quando intimado.

A juíza relatou que o decreto de prisão temporária atendeu a todos os requisitos legais, pois o fato investigado se trata de um homicídio doloso praticado na forma qualificada contra Eliza Samudio, tendo sido decretada a partir de uma representação feita pela autoridade policial, com deferimento do Ministério Público.

Por fim, a juíza acrescentou que o auxílio prestado por Sérgio ainda é necessário. “Suas declarações corroboram para a elucidação de parte dos fatos, o que, certamente, conta a seu favor. Todavia, nesse momento, entendo que o decreto acautelatório permanece lastreado nas razões e fundamentos que o determinaram” disse.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Laercio
Laercio - 17 de Julho às 08:28
Quanta podridão.Quanto mar de lama.Quanta m.......Quanto lixo.Quanto excremento.Quanto escarro.Quanta baixeza.Quanta pobreza de espírito.Quanta falta de coerência.Quanta falta de bom senso.Quanta falta de crença numa entidade de real grandeza criadora de tudo.Caro leitor imagine essa situação.
 
Sebastião
Sebastião - 17 de Julho às 05:18
Eu penso que Bruno está pagando pelo que NÃO FEZ.Algum amigo idiota,fez a MERDA TODA.Agora o grande problema é o tal do Ercio Quaresma,(é um doido varrido e tem contra ele,é claro isso é evidente,o Delegado Edson Moreira.)
 
carlos
carlos - 17 de Julho às 04:47
nunca vão achar o corpo , o bolo é macaco veio ; ele despedaçou a moça e jogou para os cachorros comer , depois matou os cachorros que comerram da carne e a agora ele esta atras dos urubus que comeram os cachorros ...
 
alarico
alarico - 16 de Julho às 19:13
esse caso do bruno esta cheirando queima de arquivo.ele deve está sendo chantagiado para ficar calado,nucnca vi uma pessoa ser acusada como ele esta sendo,e ficar sempre sereno de cabeça erquida como ele fica.
 
Júlio
Júlio - 16 de Julho às 18:06
Tá fudido! Caguete na prisão vira mamãe de cela! Tentou se livrar, mas a versão do crime que apresentou é rica em detalhes, somente quem estava no local de execução pode descrever em pormenores, como fez. Sua versão só não coincide com a do menor nos pontos que o livram. Vai ser burro!