Violência ofusca título da Mocidade Alegre em São Paulo

Apuração das notas das escolas de samba paulistas termina em pancadaria, notas de jurados destruídas e polêmica sobre a classificação final. Cinco pessoas foram detidas pelo tumulto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 410644, 'arquivo_grande': None, 'credito': ' Jefferson Coppola/Folhapress ', 'link': '', 'legenda': 'Na sa\xedda do Samb\xf3dromo do Anhembi, torcedores incendiaram carros aleg\xf3ricos na \xe1rea de dispers\xe3o', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2012/02/22/279376/20120222075558210774o.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}, {'id_foto': 410645, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'Marcos Bezerra/Ag\xeancia Estado', 'link': '', 'legenda': 'Trof\xe9u que seria entregue \xe0 escola campe\xe3 foi pisoteado e teve de ser retirado \xe0s pressas', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2012/02/22/279376/20120222075621590291e.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': None}]

postado em 22/02/2012 07:48

 Jefferson Coppola/Folhapress


O vandalismo atravessou o samba, e a tarde de festa do carnaval de São Paulo terminou com cenas que nada lembram a alegria dos luxuosos desfiles no Anhembi. Uma confusão interrompeu a leitura das notas dos dois últimos jurados das agremiações paulistas e o que se viu em seguida foram lições de desarmonia dentro e fora do sambódromo. O problema começou quando um homem, identificado por imagens da TV como integrante da Império de Casa Verde, segunda das 14 escolas do Grupo Especial, invadiu a área onde estavam os jurados, agrediu o locutor com um chute e rasgou os papéis com as notas. No fim da noite, a Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo declarou a Mocidade Alegre, que liderava a classificação parcial, campeã. Camisa Verde e Branco e Pérola Negra foram rebaixadas.

A cena surpreendeu a comissão julgadora, que deixou o local protegida por seguranças contratados pela organização. Com a leitura dos votos interrompida e poucos policiais militares no isolamento do local, torcedores da Gaviões da Fiel, escola do Corinthians, e outras escolas na arquibancada começaram a jogar cadeiras perto da grade de proteção, que separava o público dos organizadores. O grupo derrubou as grades e invadiu a área restrita. Papéis com as notas das escolas de samba deixados sobre a mesa foram arremessados para o alto e rasgados.

A apuração já havia começado com clima tenso, depois de um atraso de mais de 20 minutos. Representantes de cada escola foram convocados para uma reunião a porta fechadas, em que foi informada uma troca de jurados. Segundo a liga das escolas, jurados dos quesitos samba-enredo e mestre-sala e porta-bandeira passaram mal durante os desfiles e foram substituídos por suplentes. A troca é prevista no regulamento do carnaval, que já havia alterado o sistema de pontuação deste ano, permitindo qualquer tipo de fração decimal, o que acirrou a competição.

QUEBRADEIRA

Depois de deixarem o Anhembi, os torcedores iniciaram um quebra-quebra do lado de foram, na Marginal Tietê. Placas que separavam a via do sambódromo foram depredadas e arrancadas pelo grupo. Os vândalos chegaram a atear fogo a carros alegóricos que estavam na área da dispersão. Pelo menos duas alegorias da Pérola Negra foram completamente destruídas no incêndio. Acompanhados pela Polícia Militar, um grupo da Gaviões da Fiel seguiu a pé para a quadra da escola, localizada a cerca de dois quilômetros do Anhembi. O regulamento diz que será eliminada da disputa, e expulsa da liga, a escola que tiver qualquer integrante ou dirigente com comportamento inadequado, seja na concentração, dispersão, durante o desfile ou na apuração.
Marcos Bezerra/Agência Estado

Detidos alegam combinação de resultados
Cinco pessoas foram presas até o início da noite de ontem, segundo o delegado da Deatur (delegacia do turista), Oswaldo Nico Gonçalves, entre elas Tiago Tadeu Faria, de 29 anos, da Império de Casa Verde, e Cauê Santos Ferreira, de 20, da Gaviões da Fiel. Outras três pessoas foram detidas, mas não tiveram os nomes divulgados. Os dois serão indiciados sob suspeita de dano ao patrimônio público, e a polícia ainda avalia um indiciamento por suspeita de furto, já que cédulas de votação dos jurados desapareceram.

O delegado afirmou que Tiago Faria é o homem que invadiu a área onde as notas eram lidas, agrediu o locutor e rasgou as notas. A polícia disse que ele faz parte da diretoria da agremiação, mas o vice-presidente da Império de Casa Verde, Paulo Ferreira, negou. “Ele nem estava na mesa com a gente.” A escola estava em 11º lugar até a interrupção, e não seria rebaixada para o Grupo de Acesso, a segunda divisão do carnaval. Ele disse ser contra a apuração do carnaval em local aberto e que, para ele, as notas deveriam ser divulgadas em teatro fechado, com a presença da imprensa e da diretoria das escolas. “Isso aqui tem de acabar. Tem três torcidas de futebol envolvidas, isso não dá certo.”

Tiago Faria e Cauê Santos Ferreira, presos ontem na confusão que interrompeu a apuração do título do carnaval de São Paulo, afirmaram em depoimento que havia “um acordo de cavalheiros” para que nenhuma escola saísse campeã ontem. A troca de dois jurados teria motivado o arranjo, que envolveria 13 escolas e apenas a “campeã”, que seria beneficiada pela troca, não teria participado do acordo, na versão dos presos. Eles não disseram qual seria essa escola. A Mocidade Alegre estava na frente, muito próxima do título, quando a leitura dos votos foi interrompida.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
carlos
carlos - 23 de Ferveiro às 08:53
O luxo e o lixo. O luxo das escolas de samba do Rio e o lixo das escolas de samba de SP. De um lado, Unidos da Tijuca, Mangueira, Portela, Mocidade. Do outro, nomes ridículos, uma mistura de giria de traficantes com torcidas desorganizadas, X9, Gaviões da Fiel, Mancha Verde, Pérola Negra. Ridículos.
 
Lg
Lg - 22 de Ferveiro às 12:12
Pois é... e ainda tem o povinho que só fica aqui na net denegrindo o povo brasileiro e não toma nenhuma atitude... É muito parecido com aquelas fofoqueiras do passado, que ficavam falando da vida alheia e não tomavam qualquer ATITUDE para mudar....
 
Andre
Andre - 22 de Ferveiro às 11:58
E me disseram que esse é o pais do futuro.Politicos e partidos são corruptos,policia duvidosa,advogado escumbalha juiz em tribunal,as leis foram feitas para quem não pode pagar.Mesmo com imagens e depoimentos,bandidos de colarinho branco,negam e ficam soltos.Povo só quebra o que não interessa?Idiotas
 
mauro
mauro - 22 de Ferveiro às 10:33
A tv divulgou que o cara que rasgou invadiu etc e tal tem processos etc e tal e esta solto é a justiça brasileira entao nada a fazer convivam com isto
 
lorena
lorena - 22 de Ferveiro às 10:15
Absurdo, espero que o Rio, neste quesito, dê um exemplo de civilidade!!!
 
Carlos
Carlos - 22 de Ferveiro às 09:49
Índole de gentalha, DNA de gentalha. Este povinho, nem com curso superior. Nasceram para ser bandidos. Lembram da estudante que quase foi massacrada por que usava vestido curto na faculdade?... Eita poiquera, é nóis na fita. Estes são os Zé Povinho.
 
Ronildo
Ronildo - 22 de Ferveiro às 09:43
Bem ao estilo do povinho brasileiro, a cada dia fica mais evidente, o que falta para o Brasil é Educaçao.Em pleno século 21 ainda o Brasil nao é um país de cidadaos, é triste mas é verdade.Nao sabem respeitar, nao admitem perder.Eta povinho.Ronildo G.Silva
 
Luiz
Luiz - 22 de Ferveiro às 09:31
Os juízes substituidos, provavelmente eram o Edilson Pereira de Carvalho e o Sandro Meira Ricci, por isso os corintianos não gostaram.
 
Admilson
Admilson - 22 de Ferveiro às 08:40
Não entendemos por que essas quadrilhas q denominam "torcidas organizadas" ainda existem. Qual o benefício q elas trazem? somente para seus dirigentes q viajam com o time de graça e tem acesso aos estádios também sem pagar. E os clubes gostam porq são os "bois de piranha" da Diretoria.Só dá bandido.
 
Cesar
Cesar - 22 de Ferveiro às 08:29
O que se esperar de um país que investe mais em samba do que em educação?
 
Leonardo
Leonardo - 22 de Ferveiro às 08:24
Lamentável neh... Eu não tenho muitas dúvidas que esses carnavais são "ajustados previamente", mas pancadaria não dá. Suspende as escolas dos envolvidos na violência uns 3 anos..
 
Teo
Teo - 22 de Ferveiro às 08:05
Aonde neste país do pão e circo não tem violência?