Mocidade Alegre é anunciada como campeã em São Paulo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 410620, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'REUTERS/Paulo Whitaker ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2012/02/21/279359/20120221231347717298e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

postado em 21/02/2012 23:09 / atualizado em 21/02/2012 23:15

REUTERS/Paulo Whitaker
 

A Mocidade Alegre é a nova campeã do Carnaval de São Paulo. O anúncio foi feito pouco antes das 23h desta terça-feira. Foram rebaixadas para o Grupo de Acesso a Pérola Negra e a Camisa Verde e Branco.

Após a confusão durante a apuração de votos dos desfiles, a Liga das Escolas de Samba decidiu manter as notas divulgadas até o momento da interrupção. A Mocidade Alegre liderava com 160 pontos. Em seguida ficaram a Rosas de Ouro, Vai-Vai, Mancha Verde e Vila Maria. Subiram para o Grupo Especial, Nenê de Vila Matilde e Acadêmicos do Tatuapé, vencedores do Acesso.

A apuração foi interrompida por volta de 17h40 desta terça-feira por causa de uma grande confusão e atos de vandalismo. Tiago Farias, de 29 anos, integrante da Império da Casa Verde, invadiu a área de apuração no sambódromo do Anhembi, pegou e rasgou os votos da mesa e saiu correndo no momento em que eram anunciadas as notas do último quesito (comissão de frente), critério de desempate no carnaval de São Paulo deste ano.

Outros torcedores de várias escolas, insatisfeitos com os votos da comissão julgadora, também invadiram a área que era isolada. Um carro alegórico da Pérola Negra que estava na parte de trás do sambódromo foi incendiado e também houve depredação do alambrado do sambódromo. Cadeiras também foram jogadas. Policiais e seguranças controlaram a confusão. O Corpo de Bombeiros conseguiu conter as chamas no carro. Ninguém se feriu.

Depois do quebra-quebra, pelo menos cinco pessoas acabaram detidas. Tiago Ciro Tadeu Farias e Cauê Santos Ferreira, presos nesta terça na confusão afirmaram em depoimento que havia "um acordo de cavalheiros" para que nenhuma escola saísse campeã neste ano. Eles prestaram depoimento ao delegado Osvaldo Nico Gonçalves.

A troca de dois jurados, na quinta-feira, 16, um dia antes do início dos desfiles, motivou o combinado que envolveu 13 escolas - apenas a "campeã", que seria beneficiada pela troca, não participou do acordo, na versão dos presos. Eles não disseram qual seria essa escola. A Mocidade Alegre estava na frente, muito próxima do título, quando a leitura dos votos foi interrompida.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
carlos
carlos - 22 de Ferveiro às 23:12
O carnaval de SP é um lixo. Querem imitar o Rio, mas nem de longe chega. Imagine comparar um lixo desses com a Unidos da Tijuca. Escolas mixurucas, nomes ridículos, envolvendo torcidas de vagabundos organizados, girias de bandidos como X-9, Gaviões da Fiel, Mancha Verde, etc. Tudo lixo.