Game mineiro disputa vaga para a final da Microsoft Imagine Cup

Final brasileira da competição mundial de empreendedorismo acontece entre os dias 27 e 28 de abril, em Belo Horizonte


A partir da próxima quinta-feira (28) nove equipes disputam, em Belo Horizonte, uma vaga para representar o Brasil na etapa mundial da Imagine Cup, a maior copa de tecnologia do mundo, promovida pela Microsoft. A competição vai premiar o melhor projeto inovador com US$50 mil e mentoria de grandes nomes da área.

O ‘Sonho de Jequi’, jogo criado por equipe de Minas Gerais, está entre os nove projetos de todo o país selecionados para a final brasileira da Imagine Cup. Nos dias 27 e 28 de abril, eles disputam uma vaga para representar o Brasil na competição mundial, que acontece em Seattle, nos Estados Unidos.

A Imagine Cup está em sua 14ª edição e teve 245 projetos inscritos somente no Brasil. Todos eles foram avaliados por uma equipe de especialistas, que escolheu os três melhores em cada uma das categorias participantes: game, inovação e cidadania. No total, são nove ideias para melhorar o mundo a partir da tecnologia, que irão concorrer à vaga brasileira para enfrentar os demais projetos de todo o mundo pelo troféu da competição.

Este ano, a etapa brasileira acontece em Belo Horizonte, a partir de uma parceria entre a Microsoft e a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação de Minas Gerais (Sectes). As equipes competidoras participarão de uma programação de visitas e imersão ao cenário mineiro de inovação, e, em seguida, apresentam seus projetos para uma banca julgadora, que anuncia o finalista de cada categoria no dia 28 de abril, em evento na Cidade Administrativa.

Conheça as equipes brasileiras finalistas da Imagine Cup:

CATEGORIA GAMES

Buns Game (Pernambuco) – Estudantes da Escola Técnica ETEPAM, de Recife, desenvolveram o Buns Game, um jogo para smartphones e tablets criado para jogadores de todas as idades, nas categorias ação e árcade. O jogo tem como objetivo ajudar o personagem a pegar o ônibus e foi criado pelos alunos Johnny Herbert do curso de Manutenção e Suporte em Informática, Paula Soares do curso de Comunicação Visual e Jonathan Barreto, ex-aluno de Design de Interiores e Graduando de Administração na UFPE.

Do a Barrel Throw (São Paulo) – Um jogo divertido e desafiador, em que a personagem russa lança barris para saltar mais alto e vencer obstáculos. O projeto é da equipe Barusu, da UNESP Bauru, composta por Raissa Rodrigues, Victor Cardoso, Alessandra Sasaki e Gabriel Soares, auxiliados pelo mentor Eduardo Martins Morgado.

Sonho de Jequi (Minas Gerais) – Neste jogo, o personagem Jequi passa por um percurso com o objetivo de coletar água, com imagens em aquarela e trilha sonora de artistas do Vale do Jequitinhonha. Desenvolvido por alunos da PUC Minas, o game mostra a realidade do Vale e permite que os jogadores façam doações para ajudar a população impactada pela seca do norte do estado. A equipe Tower Up é composta por Alessandra Faria de Castro, Érico Grasso, Ramon Coelho de Souza e Daniel Sanabria.

CATEGORIA INOVAÇÃO

Echo Sense (Rio Grande do Sul) – O Echo Sense é um dispositivo criado com sensores ultrassônicos e motores de vibração para ajudar deficientes visuais a identificarem a distância até um objeto. O projeto foi criado pelos alunos Ricardo Sabedra (UFRGS) e Witallo Oliveira, com apoio do Centro de Inovação Microsoft-PUCRS.

Dreampper (São Paulo) – Felipe Santana, Danilo Sette e Tiago Cazali Magalhães, da Universidade de Taubaté, criaram uma nova rede social inovadora. Ela permite que os usuários compartilhem fotos e momentos com amigos, e troquem experiências sobre séries, filmes, jogos e livros. O projeto também conta com uma ferramenta diferente para criar anúncios em redes sociais.

Vehicular Black Box (Santa Catarina) – Com o objetivo de ajudar na reconstituição de acidentes de automóveis, o projeto dos alunos da UNISOCIESC, de Joinville, auxilia na obtenção de evidências e tem potencial para promover novos produtos na área de seguros. A ideia foi desenvolvida por Lucas Casagrande, Alexandre Viebrantz e Eduardo Garcia.

CATEGORIA CIDADANIA

Bridge (São Paulo) – O Team Bridge, formado por Lucas Magon, Talita Dias e pelo professor Luciano Araújo da Universidade de São Paulo-EACH-USP, criou uma plataforma para crianças com limitações cognitivas e motoras, como paralisia cerebral e distrofia muscular. O projeto ajuda os pacientes a realizarem pequenos movimentos e fisioterapia por meio de jogos adaptados e diversão.

AppDemia (Espírito Santo) – Voltado para a área da saúde, o aplicativo criado por estudantes de Vitória permite que qualquer pessoa registre sintomas e diagnósticos de doenças. A ferramenta mapeia focos de doenças e a possibilidade de surtos, facilitando o acesso da informação pelos profissionais de saúde, órgãos governamentais e população. Os participantes da equipe são Henrique Casagrande, Lucas Pena e Vinicius da Cruz Maia.

Omni (Santa Catarina) – Os estudantes Cezar Antunes e Luis Felipe Grossl, também de Joinville, desenvolveram um dispositivo para a área de educação. Voltado para a Internet das Coisas (IoT), ele disponibiliza aulas interativas em salas de aula de escolas que não possuem acesso à internet, ajudando professores a programar e a transformar suas atividades.

SERVIÇO:
O evento que vai anunciar o projeto escolhido para representar o Brasil na final mundial é aberto ao público e acontece no dia 28 de abril, às 13h, no Auditório JK da Cidade Administrativa Tancredo Neves. Clique aqui para fazer sua inscrição.

Com informações do Minas Digital

COMENTÁRIOS