SIGA O EM

Cerimônias nos EUA lembram os dez anos do 11/9

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 08/09/2011 17:18 / atualizado em 09/09/2011 08:33

AFP /Agence France-Presse

Dez anos após os atentados do 11 de Setembro, os Estados Unidos, mergulhados em seus problemas econômicos, recordarão a atrocidade de um dia inscrito para sempre em sua memória coletiva. No domingo, o presidente Barack Obama irá aos três locais da tragédia: Nova York, Washington e Shanksville (Pensilvânia), onde o quarto avião desviado caiu após a intervenção heroica de seus passageiros para impedir a ação terrorista.

Em Nova York, assistirá a uma cerimônia ao lado do ex-presidente George W. Bush, do prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e do ex-prefeito Rudolph Giuliani. Como acontece, anualmente, quatro minutos de silêncio vão marcar - às 8h46, 9h03, 9h59 e 10h28 - os momentos nos quais os dois aviões de carreira atingiram as torres do World Trade Center (WTC) e quando as duas torres desabaram.

Serão lidos, depois, os nomes dos 3.000 mortos, na presença das famílias, também convidadas para a cerimônia, domingo, de inauguração do memorial do 11 de Setembro. Muito esperado, este espaço paisagístico de três hectares será aberta ao público a partir do dia 12. Com mais de 200 castanheiras, possui duas grandes fontes, com as paredes de água fluindo sem parar. Foram erguidas no lugar exato onde estavam as Torres Gêmeas. O nome de cada vítima está inscrito em seu entrono.

Perto do memorial está sendo levantada a principal torre do novo complexo, o One World Trade Center, que alcançará 1.776 pés (541 metros), o futuro edificio mais alto dos Estados Unidos. Sua altura, em pés, corresponde ao ano da independência americana.

Para o décimo aniversário, numerosas celebrações estão previstas em Nova York e em outras cidades americanas: corridas, exposições de fotos, corrente humana no sul de Manhattan, espetáculos de dança, concertos no Lincoln Center, na Times Square, em várias Igrejas, entre elas a catedral de Washington, danificada pelo terremoto de 23 de agosto.

Para a ocasião, o Departamento de Estado fez um apelo aos americanos em todas as partes do mundo a permanecerem vigilantes em relação ao terrorismo, destacando, no entanto, "não ter constatado qualquer ameaça particular", com a aproximação do 11 de Setembro.

A secretária americana da Segurança Interior, Janet Napolitano, saudou um país "mais forte do que era antes do 11 de Setembro, mais capacitado para enfrentar as ameaças que evoluem, e mais resistente". Os parlamentares americanos, no entanto, criticaram as falhas persistentes na segurança da primeira potência mundial.

Os americanos permaneceram profundamente marcados pelo 11 de Setembro. Noventa e sete por cento da população lembra-se perfeitamente onde estava ao saber da notícia, segundo pesquisa divulgada na semana passada, que coloca os ataques lado a lado com o assassinato do presidente John F. Kennedy em 1963, em termos de impacto no inconsciente coletivo.

Mas, após duas guerras, no Iraque e no Afeganistão, que fizeram 6.200 mortos entre os soldados americanos e custaram aos Estados Unidos 4 trilhões de dólares, muitos, cansados, parecem desejosos de virar a página.

Apenas 38% consideram possível um atentado nas próximas semanas, segundo uma pesquisa Gallup publicada no dia 2 de setembro, o mais baixo nível em dez anos. O percentual era de 62% em maio, após a morte de Osama Bin Laden. A falta de criações de empregos, em agosto, e o desemprego de 9,1% tornaram-se para os americanos uma ameaça mais obcecante.

A alguns dias da apresentação de um novo plano do governo, destinado a fazer baixar o desemprego e a relançar o crescimento econômico, o presidente Barack Obama parece ele mesmo querer fechar o capítulo do 11 de Setembro, para se concentrar numa nova batalha, a do emprego.

Quatro meses antes do décimo aniversário dos atentados, a morte de Osama Bin Laden, em maio, também permitiu a alguns virar a página.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600