15°/ 28°
Belo Horizonte,
23/OUT/2014
  • (12) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Supermercados do interior botam banca em Minas Responsáveis por 70% das vendas do setor no estado, redes mineiras que atuam fora da capital vão investir R$ 270 milhões para abrir 39 lojas neste ano e encarar concorrentes

Marta Vieira

Publicação: 07/01/2013 00:12 Atualização: 07/01/2013 07:15

Consumidores no Super Luna, em Betim. Com unidades em Brumadinho, Contagem, Sarzedo e Igarapé, empresa vai construir centro de distribuição (Cristina Horta/EM/D.A/Press)
Consumidores no Super Luna, em Betim. Com unidades em Brumadinho, Contagem, Sarzedo e Igarapé, empresa vai construir centro de distribuição

Pequenos e médios supermercados de Minas Gerais seguem à risca a tese de que tamanho não é documento, com uma nova onda de investimentos estimados em R$ 270 milhões no interior do estado neste ano. Os recursos serão aplicados na abertura de 39 lojas, sem nada dever ao conforto, modernidade e qualidade de estoques dos grandes concorrentes do setor, aliados, ainda, à gestão eficiente e ao profissionalismo que as redes menores adotaram.

Mais próximas do consumidor, elas souberam aproveitar o crescimento da renda do brasileiro, a inclusão das classes C e D no consumo, e os efeitos da valorização do salário mínimo para crescer e chegar bem perto dos hipermercados. O desafio agora é manter a capacidade de investir e enfrentar nuvens que rondam o cenário de expansão da economia brasileira, em especial, os rumos da inflação.

Há 20 anos no ramo, Hercílio Araújo Diniz Filho e cinco irmãos, sócios do supermercado Coelho Diniz, de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, conhecem bem a concorrência. A rede prepara a abertura de lojas em Ipatinga e Coronel Fabriciano,, distantes mais de 100 quilômetros da matriz, com a experiência acumulada no comando de cinco lojas em Valadares, uma em Caratinga, na mesma região, e outra em Manhuaçú, na Zona da Mata mineira. “Vivemos uma década de ouro. A crise recente da economia não chegou ao nosso segmento”, garante Hercílio Filho.

Como mineiro típico, o supermercadista não revela o orçamento destinado à expansão, mas avisa que os planos estão apoiados numa política sustentável, que combinou o reinvestimento dos lucros no próprio negócio e a sensibilidade para entender e atender os desejos do consumidor. Ainda em 2013, o Coelho Diniz terá a oitava loja em Valadares e entra em Teófilo Otoni, no Vale do Jequitinhonha. O número de empregados sobe de 1.500 para 2.300.

Conforme as estimativas da Associação Mineira de Supermercados (Amis), o interior do estado vai levar 90% das lojas projetadas e dos investimentos previstos pelo setor em 2013, que totalizam R$ 300 milhões na abertura de 43 unidades e na reforma de 58 lojas. Do bolo do faturamento, que deve ter alcançado R$ 14 bilhões em 2012, elas teriam movimentado algo em torno de 70%, ou seja, R$ 9,8 bilhões. A extensão territorial de Minas e a riqueza gerada em polos industriais e do setor de serviços desenvolvidos, fora da Região Metropolitana de Belo Horizonte, abriram oportunidades e atraem as redes menores, segundo o superintendente da Amis, Adilson Rodrigues.

Essa característica particular do varejo mineiro favoreceu a pulverização da atividade, diferentemente uma tendência de concentração do setor em outros estados, como São Paulo. Outro detalhe em benefício das redes menores é o conhecimento que elas adquiriram para lidar com a logística da distribuição no interior. “Essas redes conhecem mais os mineiros do interior, em meio ao misto de sotaques, de baianos a cariocas, e culturas muito diferentes que encontramos em Minas. É algo que se torna mais difícil para as empresas transnacionais”, afirma.

Coelho Diniz, em Valadares, vai para a oitava loja na cidade e quer entrar no mercado de Teófilo Otoni (REPRODUÇÃO DA INTERNET)
Coelho Diniz, em Valadares, vai para a oitava loja na cidade e quer entrar no mercado de Teófilo Otoni
Culturas diferentes A proximidade com o consumidor foi decisiva para o crescimento da rede Bahamas, de Juiz de Fora, na Zona da Mata, primeira no interior e a quarta maior no estado, que desembarca este ano no Triângulo mineiro, abrindo três lojas em Uberlândia, dona do quarto maior PIB de Minas (Produto Interno Bruto, medida de valor da economia). “É um desafio fantástico chegar a uma região mais rica, com uma grande população e outra cultura (influenciada por São Paulo e o interior paulista). Levamos nossa experiência, uma política de preços agressiva e o envolvimento com o consumidor”, diz Nelson Júnior, gerente de marketing da rede.

Com 28 lojas na Zona da Mata, que sofre a influência do Rio de Janeiro, 4,650 mil empregados e 12 mil itens comercializados, o Bahamas detém as bandeiras Bahamas (supermercado), Empório Bahamas (lojas segmentadas) e Bahamas Mix (atacarejo). Só para viabilizar os planos de expansão no Trângulo, a rede prevê desembolso de R$ 40 milhões, incluindo a abertura das lojas e a construção de um centro de distribuição. A concorrência na região com os hipermercados Carrefour e o Bretas não é novidade.

Atendimento de qualidade é também prioridade para a rede Super Luna, de Betim, na Grande Belo Horizonte, que lançou seu programa de expansão em 2000 e, hoje, comanda sete unidades, com presença em Brumadinho, Igarapé, Contagem e Sarzedo, e um universo de 1.600 empregados. Os principais investimentos neste ano serão feitos na construção de um centro de distribuição em terreno já adquirido e a reforma e ampliação da matriz em Betim, informou o sócio-proprietário Navarro Agostinho Cândido. “Novas lojas também poderão ser abertas, estamos sempre atentos a demandas e oportunidades do mercado”, afirma.

O QUE NOS INTERESSA

Concorrência pode beneficiar clientes


Se as leis da economia vingarem, os planos de expansão dos pequenos e médios supermercados têm o dever de beneficiar o consumidor, entendidos como estímulo à concorrência. E não se trata só de uma competição por meio de políticas de preços, mas da oferta de serviços associados às compras e de atendimento qualificado. O Brasil nem sempre tem assistido a essa lógica; pelo contrário, o cliente tem ficado desamparado em setores marcados por baixa concorrência, apesar da atuação de muitas empresas, a exemplo da telefonia e dos serviços bancários. A perspectiva de um crescimento da economia mais animador neste ano será um teste para a dona de casa perceber que vantagens surgirão da briga dos supermercados.

Redes ganham em eficiência

Ganhos de escala, linguagem corriqueira nas maiores bandeiras dos hipermercados, explicam, da mesma forma, a expansão das redes menores de supermercados, que como a Bahamas, de Juiz de Fora, inclui a possibilidade de aquisições. A escala permite às empresas ganhar em eficiência, observa o professor Nuno Fouto, do Programa de Administração do Varejo (Provar), da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).

Ao se tornarem redes, os supermercados se veem obrigados a trabalhar num sistema profissional e a usar tecnologia, que é fundamental para lidar com grande volumes. “As demandas e exigências do consumidor também qualificam a oferta dessas redes e nesse aspecto elas não perdem para os hipermercados”, diz Nuno Fouto. Elas oferecem lojas modernas, climatizadas e com estacionamento próprio. Os planos dos supermercados do interior de Minas não se resumem a uma visão otimista do setor para 2013, pondera o especialista, convencido de que Minas Gerais e o Brasil oferecem espaço para que elas se fortaleçam. “O que pode atrapalhar é uma inflação que volte, retirando o poder de compra do consumidor. Ou mesmo, a incapacidade dessas empresas de investir”.

Recursos não parecem ser um empecilho. A pequena rede Faria Supermercados, de Itapecerica, no Centro-Oeste de Minas, avalia oportunidades de crescimento com apoio de crédito de instituições como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A sócia-proprietária Dolores Antônia Fonseca, planeja a abertura em 2014 da quarta loja, com 7 mil itens em estoque, atenta à capacidade de expansão da economia local. “Temos sempre de buscar desafios, trabalhando uma política de lojas que atendam bem no mix, na estrutura e no relacionamento com o consumidor”, afirma.

Planejamento No Bahamas, o gerente de marketing Nelson Júnior conta como a empresa se apoiou num extenso estudo de oportunidades para crescer em cinco regiões de Minas. O planejamento definiu uma empresa com 50 unidades em 2015, portanto, a ambição de abrir 22 lojas em três anos nem poderia descartar prospecção e aquisições. A expectativa de crescimento da rede neste ano é de 20%. Junto ao investimento no Triângulo, serão abertas mais duas unidades na Zona da Mata.

Além do esforço das próprios supermercados, Nelson Júnior lembra que os fornecedores contribuíram com produtos e embalagens de melhor qualidade, leiautes atrativos e equipamentos modernos. Hercílio Filho, sócio da rede Coelho Diniz, considera o logística o principal gargalo dos planos de crescimento. “Já enfrentamos trânsito congestionado no interior e restrições para os caminhões trafegarem em vias urbanas”, observa. Entre as metas da empresa, está a preparação de um centro de distribuição para que a partir de 2014 toda a mercadoria comercializada passe por essa infraestrutura. (MV)
Tags: celular

Esta matéria tem: (12) comentários

Autor: Matheus Inacio Cardoso dos Santos
As lojas do Bretas são horríveis e os preços são os mais caros de Sete lagoas. As novas opções, em 7 Lagoas, são o Mart Minas e o Decisão, mas eles tb não tem grande variedade de produtos. | Denuncie |

Autor: Matheus Inacio Cardoso dos Santos
Sempre que tenho oportunidade de estar em Betim, também faço compras no Super Luna, onde o atendimento é excelente, e os preços sempre mais baratos que nas redes de BH. Conheço as lojas de Betim, Brumadinho e Igarapé, e possuem uma grande variedade de produtos e preços competitivos. | Denuncie |

Autor: Luiz Mendes
O Carrefour deveria ser evitado por todos, atendimento ruim, empregados são explorados, empresa que não respeita ninguém. Confiram nos sites do TRT e TST e vejam a quantidade de processos. | Denuncie |

Autor: cesar bolt
Quando comprei no Super Luna a primeira vez, achei que tinha algo errado. O preço estava bem abaixo do Extra, onde costumava comprar. Os grandes de BH enfiam a faca sem dó no consumidor, pois nao ha concorrencia. Sem contar que o atendimento é 10 vezes melhor no Super Luna. | Denuncie |

Autor: Ilka Reis
Estas redes bem que poderia abrir uma loja no Caiçara ou região. Ninguém aguenta o Carrefour ... "viajo" para fazer compra só para não comprar neste "minimercado" ... | Denuncie |

Autor: Ivan
Coitada da cidade que trouxer ou dar "beirada" ao tal de Supermecado Bretas. São os mais careiros do mundo e não dão emprego a empacotadores como fazem outros. São exploradores do povo. | Denuncie |

Autor: João Melo
Aqui em Montes Claros, precisamos urgentemente de concorrência. Péssimo atendimento, preços fora da realidade, etc. Uma rede chilena reina aqui como se estivesse no Chile. Preços exorbitantes e fora da realidade da região. Péssimos, deveriam ser sabotados pelo povo. | Denuncie |

Autor: tercio tercio
Gostaria de saber se a palvra layout pode ser escrita da forma que se fala (em português) com está escrita no último paragrafo - "leiautes". | Denuncie |

Autor: MARCÍLIO MAIA
Apoiado a iniciativa de trazer outras redes para a capital. FORA CARREFOUR que não sabe tratar bem os clientes, sem conforto algum e tem preços lá em cima. | Denuncie |

Autor: Celio Nunes
As lojas da rede Coelho Diniz são um espetáculo, esses supermercados de BH deveriam seguir o exemplo. Todas as lojas do Coelho Diniz tem estacionamentos amplos, ar condicionado, mercadorias de primeira qualidade, bom atendimento e preço... Hercílio e Fabio venham para a Capital. #CoelhoDinizemBH | Denuncie |

Autor: Celio Nunes
Conheço bem historia da família Diniz, acompanhei de perto parte desse crescimento em Valadares... O sucesso é fruto de trabalho e união, eles ainda crescerão muito mais. E Deveriam vir logo para BH e mostrar para esses empresários daqui o que é um supermercado de verdade... | Denuncie |

Autor: helvio souza
é isso mesmo os grandes não respeita os cliente como deveria. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.