BH tem 34 hotéis em construção para a Copa 2014

Ontem, pesquisa do IBGE revelou deficiências da rede hoteleira. Falta hotéis de padrão internacional e país não está preparado para hospedar portadores de necessidades especiais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/02/2012 12:57

Fernanda Penna Borges

O setor hoteleiro em Belo Horizonte vai investir R$ 1 bilhão até a Copa 2014 e o número de leitos pode aumentar 85%,  de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pela Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa). Estão em construção na capital 34 hotéis, outros 17 empreendimentos estão na reta final do processo de licenciamento e na região metropolitana serão mais 24 hotéis até a Copa. Com isso, a Grande BH terá 75 hotéis a mais que acrescentarão 25.438 leitos.

Dois novos hotéis padrão três estrelas já estão em funcionamento na capital mineira. Dos 34 que estão em obras em BH, um tem classificação cinco estrelas; 13, quatro estrelas; 18, três estrelas e um de uma estrela. Em fase de licenciamento, há mais cinco hotéis cinco estrelas. Atualmente, são 30.194 leitos distribuídos em 314 meios de hospedagem situados a, no máximo, 100 quilômetros de Belo Horizonte. A taxa de ocupação média é de 80%, mas de terça à quinta-feira facilmente chega-se perto de 100%. Para 2014, projeta-se um total de 55.632 leitos para a região de BH até 2014.

“Essa taxa tão alta de ocupação, o crescimento econômico de Minas e a projeção do estado devido à Copa só comprovam a necessidade de mais hotéis em Belo Horizonte. O calendário de eventos ficará mais movimentado, e esses novos leitos serão fundamentais para aliviar a demanda atual e também para consolidar a vocação de Belo Horizonte como capital de turismo de negócios”, explica Sergio Barroso, secretário de estado Extraordinário da Copa do Mundo.

Com a expansão do número de leitos em Belo Horizonte, a capital terá ampliada também a oferta de espaços para convenções. Quinze novos empreendimentos em construção na cidade, por exemplo, terão capacidade de acomodar aproximadamente 6.600 pessoas no total, variando cada um suas dependências de pequeno (100 pessoas), médio (500) e grande (2.000) porte.

Deficiência


Ontem, pesquisa divulgada pelo IBGE revelou a deficiência dos hotéis de Belo Horizonte e do país.  As capitais do Brasil têm leitos mais que suficientes para receber os turistas da Copa do Mundo de 2014, mas a qualidade média dos 250 mil quartos, apartamentos e chalés deixa a desejar. Em Belo Horizonte, no entanto, o cenário é pior: faltam leitos e quartos de melhor padrão. Do total nacional, 61% são considerados de qualidade e conforto inferior, classificados nas categorias econômica e simples. Estão nesse padrão 5.036 estabelecimentos pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 23%. Eles estão mais presentes em São Paulo (69,3%), Belo Horizonte (66%) e Fortaleza (60,7%). Nas demais categorias, os de classe turística (médio conforto) são 24,7%, os de nível superior (muito confortável) 11% e os de luxo 3,5% do total. A acessibilidade também é baixa na rede de hospedagem.

O estudo inédito deixou claro que a pouco mais de dois anos de a bola rolar para a abertura da Copa'2014 Belo Horizonte tem uma das piores redes de hospedagem entre as capitais. Entre as 10 principais redes hoteleiras do país, a capital mineira ocupa a penúltima posição em termos de oferta de leitos. Isso apesar de ser a quarta do país com maior número de estabelecimentos hoteleiros (291).

Se for somar os hotéis, motéis, pousadas e todas as categorias de estabelecimentos, a cidade disponibiliza apenas de 19.031 vagas, quase quatro vezes menos que a primeira colocada - São Paulo - e 1,7 mil a menos que o mínimo indicado pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). E a situação é ainda mais crítica: dois terços desse total são referentes a leitos classificados nas categorias econômica e simples, sendo reduzida a oferta de unidades de padrões superiores, demanda que pode ser suprida pelos empreendimentos anunciados nos últimos meses.