18°/ 28°
Belo Horizonte,
17/ABR/2014
  • (7) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reajuste para aposentados fica abaixo da inflação da terceira idade Reajuste de 6,08% deve fazer com que 500 mil beneficiários recebam apenas o salário mínimo, diminuindo os ganhos

Marinella Castro -

Publicação: 13/01/2012 06:00 Atualização: 13/01/2012 06:36

Maria da Assunção contribuía com 2 salários, mas recebe apenas um (Cristina Horta/EM/D.A Press
)
Maria da Assunção contribuía com 2 salários, mas recebe apenas um

 

O reajuste das aposentadorias da Previdência Social fixado em 6,08% para quem recebe benefício acima do salário mínimo ficou abaixo da inflação da terceira idade medida pela Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano, o Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-I) acumulou alta de 6,19%. Segundo a Confederação dos Aposentados e Pensionistas do Brasil (Cofap), este ano meio milhão de aposentados que até 2011 recebiam benefícios superiores a R$ 545 terão o rendimento encurtado e vão migrar para a base do salário mínimo.

Diante da perda de renda, os inativos prometem colocar o bloco na rua. “Temos reunião com os ministérios da Fazenda e Previdência na segunda quinzena de fevereiro. Se nada mudar (no índice de reajuste), vamos fazer barulho no ano eleitoral. Aposentado não faz greve, mas vota”, avisa Silberto Silva, vice-presidente da Cofap.

A bronca dos aposentados diz respeito ao índice de correção que não agrega ganhos reais ao rendimento. A política em vigor desde a década de 90 tem inchado o contingente de segurados que recebem o salário mínimo, encolhendo ao mesmo tempo o percentual nas demais faixas. Economistas chamam atenção para o peso dos gastos da Previdência nas contas públicas, mas a Cofap aponta que as perdas de quem se aposentou no Brasil nos últimos 18 anos pelo regime geral acumula o percentual de 76%.

A correção das aposentadorias e pensões terão o custo de R$ 22,4 bilhões, sendo que R$ 7,6 bilhões correspondem a correção dos benefícios que estão acima do patamar do salário mínimo. “Nosso pleito é de um reajuste de pelo menos 11%”, diz Silva. Ele aponta o empobrecimento dos aposentados brasileiros diante da elevação do custo de vida e da redução dos benefícios. No quarto trimestre de 2011, a inflação da terceira idade (IPC-3I) medida pela FGV fechou em 1,67% ante o avanço de 1,59% do índice nacional. Já no ano, o IPC-I avançou 6,19% e o custo de vida nacional acelerou 6,36%.

Bronca

 

Com o crescimento da arrecadação do governo, empurrada pela expansão do mercado de trabalho o déficit do regime geral em 2011 deve encolher em aproximadamente R$ 10 bilhões, atingindo cerca de R$ 35 bilhões. A conta favorável contribui ainda mais para o clima de insatisfação entre aposentados e pensionistas, que somam um contingente de aproximadamente 25 milhões de segurados. Maria da Assunção, de 74 anos, se aposentou como cozinheira e já recebeu mais que o patamar mínimo do regime geral, mas agora embolsa o valor de R$ 545, ou R$ 622 a partir deste mês. “Pago aluguel, a aposentadoria não dá para nada. Contribuí com dois salários mínimos e é este valor que deveria receber”, reclama.

Contas dividem até economistas

O reajuste das aposentadorias não coloca em lados diferentes somente governo e inativos, a questão não tem consenso nem mesmo entre quem entende de finanças públicas. O economista da FGV/IBS Mauro Rochlin diz que o superávit primário atingido no ano passado não está garantido em 2012 e sua sustentabilidade é uma preocupação. Isto porque, segundo o especialista o ritmo de crescimento das receitas deve ser menor.

Rochlin lembra que em 2011 os investimentos foram contidos, mas agora devem ser alavancados com as perspectivas a copa do mundo e olimpíadas. “O governo não teria condições de conceder reajuste acima da inflação. O reajuste do salário mínimo foi considerável e vai crescer as despesas da Previdência de forma expressiva que vão pesar nas despesas do governo.”

A favor do mesmo índice de reajuste para toda a base de aposentados e pensionistas o diretor da Faculdade de Administração e de Economia da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), Tharcísio de Souza, defende maior rigor no orçamento de custeio do governo federal. “A economia deveria vir daí e não de corte aos aposentados. O Brasil tem custo do Reino Unido mas tem serviços como do Afeganistão”, criticou. (MC)

 

 

 

Personagem da notícia
Adão Fagundes de Aquino, 70 anos, aposentado
“Situação chegou ao limite”


 

 (Cristina Horta/EM/D.A Press
)
Adão Fagundes de Aquino, de 70 anos, vendedor de livros, atingiu a idade mínima para a aposentadoria e agora recebe o benefício de um salário mínimo. Mas, como tem compromissos maiores que a renda não abandonou, o antigo ofício lhe ajuda no pagamento de despesas como o aluguel e alimentação. Acompanhando de perto as questões que envolvem a previdência pública, ele não se entusiasmou com o reajuste de um pouco mais de 14% no salário mínimo. Exilado político no Uruguai, nos chamados anos de chumbo, ele gosta de lembrar que conviveu com nomes como o antropólogo mineiro Darcy Ribeiro e o ex-presidente João Gourlart. “Por isso gosto de chamar a presidente Dilma Rousseff de companheira”, justifica ele, que puxa a orelha do governo e não esconde sua insatisfação com a política em vigor. “O salário mínimo é mínimo e quem ganha um pouquinho mais está sofrendo. Os aposentados terão de se organizar nacionalmente, que ganhar as ruas. A situação chegou ao limite.”

 

Esta matéria tem: (7) comentários

Autor: Jose Negreiros
DILMA ROUSSEF, cruel para com os aposentados e FEMINISTA. | Denuncie |

Autor: Helcio Martins
Aposentado sofrem no Brasil, eu estou nesta luta a 13 anos, trabalhei deste 1984 com carteira assinada, ai que saudade do presindente Fiqueirendo , pelo menos ele nao era falso com nos, ele falava ir fazia, nao era igual o pt que nao cumprir com a palavra, nunca mais eu voto em ninguem. | Denuncie |

Autor: valeria silva
Se os aposentados estão sendo massacrados pelos Governantes e isso fere os Direitos Constitucionais, nada mais justo que uma representação junto a Procuradoria Geral da Republica, enquadrando a Previdência e a Fazenda. Que as Entidades representantes dos aposentados e pensionistas busquem esse caminh | Denuncie |

Autor: Domingos Sávio Oliveira
DILMA, aguarde 2014... | Denuncie |

Autor: geraldo silva
Governo está certoTem mais é q não dar aumento p/ esse bando de preguiçosos e vagabundos q trabalharam e contribuíram por td uma vida, mesmo pq tem q sobrar dinheiro p/quase dobrar o salarios de nossos parlamentares.Novas eleiçoes virão.Vamos dar o troco com td certeza.Ninguem quer esmolas. | Denuncie |

Autor: José Moura
Enquanto isso pelo Brasil afora o aumento médio dos políticos foi de 80%, se reajustarmos todo mundo em 14% como foi o reajuste do mínimo teríamos um pouco mais de justiça social neste país! VOTO NULO NELES!!! | Denuncie |

Autor: JOSE CARLOS VIANA
Que biquinho bonito ,,,kakakaka | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.