Publicidade

Estado de Minas

Empreendedora desiste da carreira como advogada para se dedicar a moda e animais


postado em 11/09/2017 10:15

(foto: Dino)
(foto: Dino)
Empreender significa imaginar, criar, realizar. E foi a busca por encontrar uma profissão que trouxesse felicidade e realização, que fez com que a blogueira e adestradora Maria Emilia Travaini Lopes Guiguet, a Maê, deixasse para traz a carreira de advogada para se dedicar as suas duas paixões: moda e animais.

"Depois da faculdade, tentei fazer estágio na área mas me sentia infeliz e desmotivada. Como eu sempre amei animais, um amigo franqueado da Cão Cidadão em São Paulo me falou sobre a franquia. Desde então abandonei a OAB e os estudos para me dedicar à seleção e ao treinamento da empresa que aconteceu todo em São Paulo, onde fiquei alguns meses. Passei por provas, estágio, curso e enfim fui aprovada", conta Maê.

Criada pelo zootecnista Alexandre Rossi, a Cão Cidadão é uma empresa especializada em adestramento em domicílio e em consultas de comportamento. Sua missão é melhorar a integração do cão na família e na sociedade, por meio da educação. Todos os franqueados da Cão Cidadão são treinados e constantemente avaliados, e utilizam o método Adestramento Inteligente ? fundamentado em estímulos positivos e em recompensas, o que desperta nos animais o interesse em aprender.

Maê conta que, enquanto se especializava em adestramento e dava início à franquia da Cão Cidadão em Ribeirão Preto, também era convidada para fotos de moda para algumas marcas e lojas. "Moda sempre foi uma paixão. Durante a faculdade tive um blog de moda onde eu contava meus diários de finais de semana e sempre postava meus looks do dia a dia. Mesmo quando postava meus looks despretensiosamente, percebia que acabava influenciando muitas pessoas. Por isso decidi investir mais também nessa área e atuar como digital influencer. Hoje me considero uma pessoa realizada pois trabalho com minhas duas paixões: animais e moda", conta a blogueira.

Em suas redes sociais, Maê também dá dicas básicas de adestramento e tirar dúvidas das pessoas com relação a responsabilidade de se ter um animal dentro de casa ou mesmo de adotar um. "Trabalho com o adestramento animal e tenho como meta inserir o animal na sociedade, melhorar a comunicação do animal com seus tutores e assim tornar o dia a dia de todos mais agradável, a partir do momento que eles passam a entender o que esperar um dos outros e também suas limitações", explica a adestradora.

Maê conta que o adestramento é para todos. Seu coelho de 7 anos, Koda, foi ensinado, e hoje sabe se comportar nas tarefas do dia a dia. "Desde sempre ensinei algumas coisas ao Koda, como fazer suas necessidades somente no tapete higiênico e a andar de coleira. Sempre mantive o Koda solto pela casa, como um cachorro. Por ter tido esse tipo de criação, hoje ele se comporta como um cão. Sobe sozinho nas camas e sofás, sabe pedir comida e é extremamente carinhoso. Os coelhos, além de sensíveis em tudo, são também extremamente dependentes e carentes. Costumo sempre deixar claro que sim, coelhos dão mais trabalho que a grande maioria dos animais", conta Maê.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade