Publicidade

Estado de Minas

Correção: 75% dos trabalhadores sofrem de inchaço nas pernas

Infelizmente isso é tratado como algo comum ou inerente ao dia a dia de um trabalhador


postado em 17/08/2017 10:30

(foto: Dino)
(foto: Dino)
A matéria enviada anteriormente continha um erro no TERCEIRO parágrafo. Segue a versão corrigida:


Uma pesquisa desenvolvida entre março e junho deste ano mostrou que o inchaço é uma ocorrência cotidiana entre os trabalhadores brasileiros ao término de uma jornada de trabalho. Entre os dados, foi identificado que mais de 75% das pessoas relatam ter o problema ao final do dia.

O estudo identificou ainda que apenas 7% das pessoas utilizam meias de compressão para controlar a situação. "Infelizmente isso é tratado como algo comum ou inerente ao dia a dia de um trabalhador. A retenção de líquido pode ser multifatorial, mas é um sinal do corpo de algo não vai bem. O baixo uso de métodos suplantares é alarmante" aponta Mateus Martinez, fisioterapeuta-chefe e coautor da pesquisa.

O problema é ainda mais frequente entre as mulheres e entre as pessoas que usam calçados modelo clog. Para Thomas Case, Ph.D. e coautor da pesquisa "isso provavelmente está relacionado ao fato dos calçado clogs serem mais largos e oferecerem mais acomodação ao pé inchado. O brasileiro se adapta em vez de resolver o problema".

"Cansaço, desconforto e alterações visíveis nas pernas e pés são alguns dos sintomas. As mulheres são mais afetadas devido às alterações hormonais e também pelo uso de calçados inadequados. É importante haver prevenção e conscientização no ambiente de trabalho para que este índice caia" conclui Martinez. 

A pesquisa consultou 2.940 brasileiros e traz diversos dados sobre complicações e riscos que o trabalhador está exposto quando se submeter a muitas horas de trabalho em pé a ergonomia adequada. O estudo completo e dicas de prevenção e alívio estão disponíveis ao público em www.pessemdor.com.br

Website: http://bit.ly/PesquisaPesNoTrabalho

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade